Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Noticiário Jurídico

Notícias da Justiça e do Direito nos jornais deste domingo

Advogado de Ribeirão Preto entrou com uma representação na subseção local da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para que a entidade apure a conduta de um juiz recém-aposentado que voltou a advogar. Segundo Daniel Rondi, autor da denúncia, Claudio César de Paula teria desrespeitado a quarentena imposta pela Constituição Federal e estaria advogando normalmente após a aposentadoria. Rondi alega que o texto do artigo 95 da Constituição Federal tem gerado diferentes entendimentos. “Há os que defendem que a palavra Juízo quer dizer ‘Vara’, entre os quais está a Associação Nacional dos Magistrados Brasileiros. Para outros, incluindo constitucionalistas de peso, a palavra significa ‘Comarca’”, cita Rondi, referindo-se ao trecho do artigo que diz que “é vedado aos juízes exercer a advocacia no Juízo ou Tribunal do qual se afastaram, antes de decorridos três anos do afastamento do cargo por aposentadoria ou exoneração”. O ex-juiz Claudio César de Paula destacou que a Constituição não estabelece restrição alguma para que ele exerça de forma imediata a advocacia na Comarca de Ribeirão Preto, desde que não entre com ações nos próximos três anos no Juízo no qual se aposentou, a 3ª Vara Cível. As informações são do jornal A Cidade.


Fora de cena
O advogado Jader Marques não representa mais o médico Leandro Boldrini, um dos acusados do assassinato do menino Bernardo Boldrini em abril deste ano, no Rio Grande do Sul. Na tarde do último sábado (31/8), Marques comunicou que teve os poderes para representar o acusado revogados devido a "divergências" na defesa. "Por divergências com Leandro Boldrini sobre a condução da sua defesa técnica, recebo com naturalidade a revogação dos poderes para atuar em nome deste nos procedimentos em que é parte. Na próxima segunda, Leandro Boldrini apresentará novo defensor", declarou o advogado. As informações são do portal G1.


A todo vapor
Em entrevista ao O Estado de S. Paulo, o financista Lucio Funaro fala sobre as inúmeras ações na Justiça nas quais está envolvido e sobre as acusações da Polícia Federal e do Ministério Público por lavagem de dinheiro. Relata também os casos famosos onde teve seu nome citado, como a Operação Satiagraha, a CPI dos Correios, caso Bacoop e o Mensalão — do qual foi absolvido após se comprometer a colaborar denunciando cúmplices. Sobre o último, afirma: "o mensalão acabou com todos os meus negócios. Todos". No perfil traçado pelo jornal, Funaro explica seus projetos e como presta assessoria em negócios e na resolução de litígios, além de sua relação com grandes grupos, como Bertin e Dias, e sobre seus negócios com a JP Morgan, uma das maiores instituições financeiras globais.


Nova cara
O ministro Ricardo Lewandowski, presidente do Supremo Tribunal Federal, nomeou a jornalista Débora Santos Oliveira para o cargo de secretária de Comunicação Social do STF. Débora é jornalista profissional com 12 anos de carreira, a maior parte dedicada à cobertura política em Brasília para televisão. As informações são do blog de Frederico Vasconcelos, publicado no portal da Folha de S.Paulo.


Veto aos ateus
Em reportagem, O Estado de S. Paulo conta a história de Herb Silverman, um dos fundadores do Secular Colation for America, grupo que defende interesses de não religiosos nos EUA. Silverman, ateu, disputou o governo do estado da Carolina do Sul nas eleições de 1990. Na época, a Constituição estadual proibia ateus de ocuparem cargos públicos. Começou então uma batalha judicial, que terminou em 1997, quando a Suprema Corte da Carolina do Sul decidiu que o veto aos ateus era inconstitucional. A história de Silverman virou livro, lançado em 2012.


Bandeira sob suspeita
Ministério Público de Minas Gerais investiga programa criado pelo candidato à Presidência da República Aécio Neves (PSDB) durante seu mandato como governador de Minas Gerais, e utliizado como bandeira eleitoral em sua atual campanha. Batizado de Programa Jovem, ele foi desenvolvido para beneficiar estudantes da rede pública com pagamentos de uma bolsa de R$3 mil caso eles cumpram requisitos como frequência em sala de aula e participação em atividades extracurriculares. Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, o MP-MG apura se houve enriquecimento ilícito e dano aos cofres públicos na assinatura de um convênio com uma organização que intermediou a execução do programa.


OPINIÃO
Ferramenta valiosa

Em editorial publicado neste domingo (31/8), a Folha de S.Paulo reflete sobre o valor da jurisprudência, afirmando que em uma sociedade de massas, ela constitui “ferramenta valiosa demais para ser desprezada”. O jornal, em seguida, afirma que a jurisprudência é uma função essencial, pois se casos iguais têm sentenças diferentes, o Judiciário está necessariamente sendo injusto. O editorial enaltece a súmula vinculante, “que consolida a interpretação do Supremo Tribunal Eleitoral, evitando discussões infrutíferas”, e a repercussão geral, “que faculta ao tribunal selecionar quais recursos irá analisar, de acordo com sua relevância”, além de possibilitar a aplicação das decisões em situações idênticas nas instâncias inferiores. Para o jornal, ambos dispositivos já fazem parte do ordenamento jurídico brasileiro. “Cabe aos ministro do STF encontrar meios para fortalecer esses mecanismos sem exagerar na dose”, conclui.

Revista Consultor Jurídico, 31 de agosto de 2014, 12h04

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 08/09/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.