Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Limites da imprensa

TJ-SP concede liminar para proibir TV em audiência

Por 

“Não pode, realmente, a cena judiciária transformar-se em espetáculo”. Com esse entendimento, o Tribunal de Justiça de São Paulo concedeu, parcialmente, uma liminar que impede a transmissão, por TV ou rádio, de uma audiência do processo que envolve o prefeito cassado de Campinas, Hélio de Oliveira Santos. A iniciativa de liberar o julgamento para a imprensa audiovisual foi de um juiz da 3ª Vara Criminal de Campinas (SP). O processo é cercado de exploração política. Oito pessoas são acusadas de lavagem de dinheiro e de formação de quadrilha.

A defesa de um dos acusados, representada pelos advogados Alberto Zacharias Toron, Claudia Bernasconi e Fernando da Nóbrega Cunha, alega que a transmissão da audiência ofende o direito constitucional à inviolabilidade da imagem das pessoas. Na liminar, eles pediram a suspensão da audiência da próxima sexta-feira (4/5) ou a proibição do ingresso de qualquer jornalista ou pessoas com o intuito de transmitir ou gravar imagens e áudio.

O desembargador Walter de Almeida Guilherme concedeu parcialmente o pedido do réu. “No caso em foco, não há razão alguma para suspender a audiência designada para o dia 4 de maio de 2012. Mas, sem espetáculo”. Ele afirma que, por ser pública, a audiência pode ser assistida por jornalistas, que “têm legítimo interesse em noticiar o que ocorre e, garantir, assim, o direito de ser informado da sociedade”.

Na decisão, Guilherme afirma que vivemos em um momento de “paroxismo da comunicação”. “Parece que em vez de resguardar a intimidade, não permitindo sua invasão, muitos almejam uma verdadeira evasão de intimidade”. O desembargador resguarda o direito à informação e à liberdade de expressão, mas afirma que ela precisa ter limites. “[A cena jurídica] Não pode ser encarada como um reality show, sob pena de ver esmorecer seu peso e sua credibilidade no seio da sociedade.”

Não era a primeira vez que o juiz da 3ª Vara Criminal de Campinas pretendia promover audiência nesses moldes. No dia 29 de julho do ano passado, a defesa preferiu deixar a sala de audiência após verificar a presença da imprensa. A defesa entrou com um Mandado de Segurança para que isso não se repetisse, mas o pedido foi prejudicado porque o processo subiu de instância, devido ao foro por prerrogativa do prefeito, que era corréu. Com a cassação, o processo voltou para Campinas onde o juiz da 3ª Vara pretendia repetir a abertura às emissoras de rádio e TV.

MS 00844747-63.2012.8.26.000

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 3 de maio de 2012, 7h31

Comentários de leitores

11 comentários

Sensacionalismo não!!!

Pek Cop (Outros)

Correta a decisão do TJSP não se pode transformar um julgamento em matéria televisiva o que pode distorcer o resultado final.pek

Regras e exceções

Directus (Advogado Associado a Escritório)

Diogo, com o tempo você aprenderá que "tudo ou nada", no Direito, praticamente não existe, a não ser nos casos extremos. Entretanto, na maioria das vezes, o jurista enfrentará o conflito de dois valores jurídicos igualmente respeitáveis. Aí é que está a dificuldade. Distinguir o preto do branco é fácil, mas dizer para qual deles tende certo tom de cinza é a tarefa que mais exige de um operador do Direito.
Porém, basta um pouco de bom senso e você verá a diferença entre televisionar uma sessão do STF - em um processo em que só se discute o Direito, não se interrogam testemunhas, focam-se apenas os ministros do STF e não há risco tão grande de humilhação do réu nem de intervenções apaixonadas de acusadores - e uma sessão de instrução e julgamento na primeira instância, com testemunhas que darão seus depoimentos em frente a uma câmera da Globo...
Pessoalmente, eu sou contra tudo aquilo que possa "inflamar" um julgamento ou aviltar a figura do réu. Julgar alguém é aplicar a lei, e a aplicação da lei fraqueja sempre que se encosta a faca da opinião das massas na garganta do julgador, ou que se demoniza a imagem do acusado. Dignidade é algo que poucos homens têm enquanto homens, mas que todo réu tem enquanto réu, entendeu?
No dia em que a imprensa for titular de poderes absolutos sobre a imagem e os direitos de todos, inclusive daqueles que estão sob a responsabilidade do Judiciário, o Estado de Direito será apenas uma memória distante...e saudosa. Muito cuidado com a libertinagem que se traveste de liberdade.

Indução

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Vimos quando do julgamento do casal Nardoni, que por indução da mídia o povo esperava os jurados do lado de fora com paus e cassetetes, caso alguns deles votasse pela absolvição. Não deu outra: condenação total!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 11/05/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.