Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Situação humilhante

Delegacia em Goiás algema presos a argolas na parede

O 1º Distrito Policial de Anápolis, em Goiás, tem algemado presos a argolas fixadas nas paredes de um corredor. A unidade tem uma cela com capacidade para cinco pessoas e deveria receber apenas os presos em flagrante, que ficariam no local um dia antes de serem levados para centros de detenção. No entanto, encontra-se superlotada e sem a possibilidade de transferir os detentos. A reportagem é da Folha Online.

Na tarde de quarta (25/1), havia 24 detentos. Três estavam no corredor: dois deitados em um colchão no chão e algemados um no outro; e o terceiro, deitado em um banco de cimento, com a mão algemada numa argola de ferro. "Estou amarrado aqui tem dois dias, nessa situação humilhante. Tenho um diploma universitário", disse o preso que afirmou ser formado em pedagogia.

Na noite anterior, outros cinco também estavam no corredor. Foram transferidos para outra unidade quando o caso começou a ser divulgado no Jornal da Globo. Ontem, outros quatro presos estavam isolados em uma sala, fechada só com arame. A única cela da delegacia está lotada. São 17 pessoas, que se revezam para dormir, até no chão do banheiro, onde o vaso é tampado com papelão.

O delegado titular do 1º DP, Thiago Torres, afirma que a situação pode se agravar nos próximos dias, pois a criminalidade costuma subir nos fins de semana. O delegado regional, Luiz Teixeira, assumiu a responsabilidade pelo uso das argolas, fixadas há quatros meses, mas afirma não querer "ferir a dignidade de ninguém". "Tomei essa decisão com constrangimento, não é sadismo nenhum. Mas a situação nos obrigou e eu prefiro essa medida a deixá-los soltos para cometerem agressão à sociedade. Seria prevaricar."

A situação prisional na região começou a se agravar em julho. A Justiça vetou o deslocamento de presos para o Centro de Internação Social de Anápolis, superlotado. Havia mais de 400 presos e a Justiça determinou uma redução desse número e a proibição de novos detentos no local. Hoje, há cerca de 200.

A ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, disse considerar o acorrentamento de presos "tortura" e designou uma equipe da ouvidoria da pasta para conversar com o governo de Goiás. "A secretaria reconhece a dificuldade com o número de vagas nos presídios, mas essas soluções que envolvem presos ficarem em delegacias, o que é ilegal, ou algemados nas paredes, equivalem à prática de tortura", disse.

Revista Consultor Jurídico, 26 de janeiro de 2012, 10h53

Comentários de leitores

6 comentários

HÁ QUE SE INVESTIGAR

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

É claro que não a situação dos presos que se dizem 'humilhados' mas não revelam quantos 'eles' humilharam, mataram ou estupraram antes de estarem ali e sim se a quantidade de argolas é suficiente. Caso faltem argolas, o negócio é "chumbar" as próprias mãos dos presos na parede, com argamassa, retirando-as após o julgamento (é óbvio).

Para os que sentem pena dos presos...

Diego. S. O. (Advogado Autônomo - Civil)

Cada um que defende o coitadinho do preso deveria adotar um encarcerado. Podiam fazer a campanha "Adote um preso você também". Leve-o para a casa, dê comida, roupa lavada e ofereça o bumbum durante a noite.
Aqui na minha cidade eu conheço o rapaz que fornece a alimentação do presos - ele têm um restaurante (a comida é ótima!) e fornece o mesmo Prato que é vendido aos consumidores - uma quentinha que nem eu, que sou trabalhador, tenho condições de comer todos os dias (arroz, feijão, macarrão, farofa, salada e um tipo de carne de 1ª diferente a cada dia), e mesmo assim os presos reclamavam da comida... Além disso, os presos têm TV à cabo, chuveiro elétrico, vaso sanitário... e reclamam.
O sujeito pratica o crime, é preso e nós ainda temos que sustentá-los... Enquanto isso, o pobre do trabalhador come arroz e feijão e, quando sobra, um pedacinho de carne. Triste realidade!

Não temos presídios, escolas, hospitais...

MSRibeiro (Administrador)

... mas o importante é que o Estado acha rapidinho dinheiro para estádio, CBF, Comitê das Olimpíadas, socorro aos clubes de futebol sonegadores de INSS e etc...Concordo com o Dr. Marcos, vê se político corrupto fica algemado dessa forma. Primeiro, nunca irá preso. Segundo, a pizzaria da um jeito de "quebrar" a acusação. Bangladesh consegue ser melhor que aqui...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/02/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.