Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Livramento condicional

Sem fundamentação, liberdade não pode ser suspensa

O livramento condicional não pode ser suspenso automaticamente, sem uma decisão judicial fundamentada, mesmo que o condenado tenha cometido novo delito durante sua vigência. Com esse entendimento, a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal restabeleceu uma decisão de primeira instância que libertou beneficiário do livramento que tinha sido preso por suposto novo delito.

O ministro Gilmar Mendes, relator do caso, decidiu o caso com base no artigo 145 da Lei de Execuções Penais (Lei 7.210/1984) e 732 do Código de Processo Penal, que têm a seguinte redação: "praticada pelo liberado nova infração, o juiz ou o tribunal poderá ordenar a sua prisão, ouvido o Conselho Penitenciário, suspendendo o curso do livramento condicional, cuja revogação ficará, entretanto, dependendo da decisão final no novo processo".

Segundo o ministro, o livramento condicional tem natureza cautelar e decorre de decisão judicial fundamentada, de modo que sua suspensão também depende de fundamentação e não é automática. No caso, Mendes considerou que ao suspender o livramento condicional, o Superior Tribunal de Justiça interpretou literalmente o artigo 145 da LEP e não fundamentou a real necessidade da medida.

O impetrante do Habeas Corpus do STF foi condenado a três anos de reclusão pelo crime de furto qualificado, e obteve liberdade condicional. Contudo, foi preso preventivamente em 27 de abril de 2005, acusado dos crimes de furto, corrupção de menores e formação de quadrilha.

Da decisão de primeiro grau que libertou o condenado, o Ministério Público do Rio Grande do Sul recorreu ao Tribunal de Justiça do estado, que a manteve. Consequentemente, MP interpôs recurso junto ao Superior Tribunal de Justiça, que suspendeu o livramento condicional e, por sua vez, motivou o Habeas Corpus ao STF. Com informações da Assessoria de Imprensa do Supremo tribunal Federal.

HC 98.411

Revista Consultor Jurídico, 16 de março de 2011, 6h01

Comentários de leitores

2 comentários

CARO SR. DANIEL

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Pois é Sr. Daniel. Veja só os absurdos. Compare essa situação tratada na matéria com a do "devedor de pensão alimentícia". No 1º caso, mesmo tendo cometido outro delito, em liberdade condicional, ele não poderia ser preso sem a devida fundamentação para a suspensão do benefício. No 2º (hipotético) o devedor de pensão alimentícia é preso três dias após ser intimado a pagar o valor da pensão e, para completar, nesse caso sequer cabe H.C. por se tratar de "prisão administrativa" !!!!! Esse é o Brasil, um país de ladrões. Sds.

vale a pena ser bandido no Brasil !

daniel (Outros - Administrativa)

vale a pena ser bandido no Brasil !
Melhor seria extinguir polícias, promotorias e varas criminais e deixar o povo resolver o problema, pois certamente a criminalidade diminuiria a quase zero.
Bandido comete novo crime durante o livramento de outro crime e ainda é tratado como santinho.

Comentários encerrados em 24/03/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.