Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Explicação suficiente

Ministro da Justiça decide manter Tuma Junior

O ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, decidiu que não irá demitir o secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Junior. Os dois conversaram sobre o suposto envolvimento de Tuma com Li Kwok Kwen, preso pela Polícia Federal em São Paulo por contrabando e imigração ilegal. A informação é do Globo Online.

Barreto considerou as explicações de Tuma suficientes e não tem a intenção de demitir o secretário. O nome de Tuma apareceu nas investigações da Polícia Federal sobre o grupo de Li Kwok, em setembro do ano passado. Li Kwok e os outros acusados estão presos e já foram denunciados pelo Ministério Público. O caso tramita na 3ª Vara da Justiça Federal em São Paulo. O nome de Tuma não consta na lista dos denunciados.

A relação de Tuma Junior com Kwen, também conhecido como Paulo Li, foi mapeada ao longo dos seis meses da investigação que deu origem à Operação Wei Jin, deflagrada em setembro de 2009. Além de ocupar um dos postos mais importantes da estrutura do Ministério da Justiça, Tuma Junior preside, desde o último dia 23 de abril, o Conselho Nacional de Combate à Pirataria.

Revista Consultor Jurídico, 5 de maio de 2010, 18h40

Comentários de leitores

3 comentários

OS TUMAS E OS CONTRABADISTAS!!!

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

É só se aprofundarem e investigarem os aeroportos de Cumbica e Viracopos e encontrarão muita malandragem com mercadorias apreendidas e sumidas...

que amigo heim !

Antonio Gusman (Procurador de Justiça de 2ª. Instância)

Famosa frase que o presidente lula e o Ministro da Justiça deveriam dizer ao Tuma Jr:
" ATE TU BRUTUS!"
E a farra continua.....Viva o Povo, Viva os Tumas, vivam todos os governantes petistas e vamos continuar assim, se der Dilma.

Na minha casa, os melhores amigos não passam da sala!

Richard Smith (Consultor)

Então tá! Conversas gravadas revelam um grau de intimidade tão grande entre o "xerife-filhote" investigador e o investigado (que portava inclusive cartão com o timbre da República e o nome do amigo) que dividiriam um mesmo quarto e ninguém fica nem vermelho! Se bem que, num país aonde o mensalão nunca existiu e aonde a operosa Polícia Federal jamais descobriu a origem da granolina apreendida como so "aloprados", esperar o quê, né?
Mas, tenhamos calma, as eleições estão logo ali. Oremos.

Comentários encerrados em 13/05/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.