Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Acusação de extorsão

Justiça aceita denúncia contra sete no caso Abadía

A 12ª Vara Criminal de São Paulo aceitou denúncia dos promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e abriu processo contra dois delegados e cinco investigadores da Polícia Civil. Eles são acusados de extorsão e formação de quadrilha. A prisão foi negada. O grupo teria achacado a quadrilha do traficante colombiano Juan Carlos Ramirez Abadía. As informações são da Agência Estado.

Segundo a denúncia, policiais do Departamento Estadual de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) detiveram Ana Maria Stein, mulher do empresário Daniel Maróstica, apontado pela Polícia Federal como um dos amigos brasileiros de Abadía. Ana Maria estava com um veículo que era usado pelo braço direito de Abadía, o traficante colombiano Henry Edval Lagos, o Patcho.

Ela foi confundida com a mulher de Patcho e levada ao Denarc. Maróstica pediu ajuda a um amigo policial. Ficou acertado que ela seria liberada desde que o carro fosse vendido por Maróstica, e o dinheiro entregue aos acusados. Segundo o Gaeco, para concluir a venda, Maróstica foi intimidado por policiais do Departamento Estadual de Trânsito, que seriam amigos dos homens do Denarc.

Segundo a Agência Estado, os mesmos policiais do Denarc são acusados ainda de sequestrar e extorquir Patcho. Assustado com os policiais, ele deixou o Brasil. Insatisfeitos, segundo o Gaeco, com o que conseguiram com Patcho, os policiais resolveram deter Ana Maria.

Do Denarc foram denunciados o delegado Pedro Luiz Pórrio e os investigadores Hélio Basílio dos Santos, Francisco Carlos Vintecinco e Ricardo Amorelli. Do Detran, foram acusados os investigadores Oswaldo Arildo Parra Junior e Severino Amâncio da Silva e o delegado Elmo Vieira Ferreira. Todos alegam inocência. Daniel Bialski, advogado de Pórrio, diz que pode pedir Habeas Corpus por falta de justa causa para a ação.

Revista Consultor Jurídico, 25 de setembro de 2009, 17h25

Comentários de leitores

3 comentários

VAZAMENTO SELETIVO PROPOSITAL

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

SERIA INTERESSANTE CONFRONTAR OS EXATOS TERMOS DA DENÚNCIA OFERECIDA EM JUÍZO (DAÍ PRECISAR SER LIDA POR QUEM INFORMA COM RESPONSABILIDADE)COM A NOTÍCIA QUE SERVIU DE "FONTE" E ESTÁ SENDO "REPASSADA".

Dr. Grancisco

Sandra Paulino (Advogado Autônomo)

o que o sr quis dizer?

IMPRENSA LIVRE

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

LER A DENÚNCIA É SEMPRE BOM PARA FIXAÇÃO DE CREDIBILIDADE ABSOLUTA

Comentários encerrados em 03/10/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.