Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Troca de corte

Deputado eleito tem processo na Justiça levado ao STF

O inquérito judicial que corria contra o deputado federal José Edmar (PR-DF) foi convertido em Ação Penal. O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, reautuou o processo depois que foi aceita denúncia do Ministério Público.

O inquérito corria na 5ª Vara Criminal da circunscrição Judiciária de Brasília, mas o juiz responsável declinou de julgar o caso em setembro do ano passado, depois que Edmar foi eleito deputado federal. O parecer da Procuradoria-Geral da República também foi nesse sentido.

O ministro, porém, validou todos os atos praticados pelo juiz da 5ª Vara Criminal, e delegou à Justiça Federal em Brasília a oitiva das testemunhas restantes arroladas pelo Ministério Público na peça de acusação. “Cabe enfatizar que a diplomação do réu, como membro do Congresso Nacional, revela-se apta a gerar, tão-somente, uma específica consequência de ordem processual, consistente no deslocamento, para o STF, da competência penal originária para a persecutio criminis (processamento do crime)”, observou o ministro.

Celso de Mello fundamentou-se, também, no julgamento de questão de ordem suscitada no Inq 571/DF, relatado pelo ministro Sepúlveda Pertence (aposentado). Naquele julgamento, a Suprema Corte reformulou antiga orientação de jurisprudência firmada nos inquéritos 141/SP e 342/PR, relatados, respectivamente, pelos ministros Soares Muñoz e Octavio Gallotti (ambos aposentados). Pela antiga jurisprudência, a posse de membro do Congresso Nacional implicava a anulação de atos processuais anteriormente praticados em processo contra ele.

Revista Consultor Jurídico, 12 de maio de 2009, 3h58

Comentários de leitores

1 comentário

O processo e o "nobilíssimo" deputado...

Zerlottini (Outros)

Quer dizer, o cara já tinha um processo quando se candidatou (por que isso foi permitido?). Aí, como ele foi eleito, desistiram do processo... Isso só pode ser brincadeira. E o pior de tudo é que nós, trouxas, ainda votamos num canalha desses!!! E VIVA O BRASIL!
Francisco Alexandre Zerlottini. BH/MG

Comentários encerrados em 20/05/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.