Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Satiagraha e mensalão

Juiz aceita nova denúncia contra Daniel Dantas

O juiz Fausto Martin De Sanctis, da 6ª Vara Criminal da Justiça Federal de São Paulo, recebeu nesta segunda-feira (20/7) denúncia contra o banqueiro Daniel Dantas e outras 13 pessoas. O juiz determinou, ainda, a abertura de três novos inquéritos para aprofundar as investigações da Operação Satiagraha, ligada na denúncia do mensalão, de acordo com informações do Uol Notícias.

Segundo a denúncia do Ministério Público Federal em São Paulo, um dos inquéritos deve servir para aprofundar a participação de pessoas investigadas e não denunciadas inicialmente, como o ex-deputado federal Luís Eduardo Greenhalgh e Carlos Rodenburg (ex-cunhado e sócio de Dantas).

Outra investigação pretende apurar crimes financeiros na aquisição do controle acionário da Brasil Telecom pela Oi. O último inquérito será aberto por acusação de evasão de divisas, supostamente praticadas por cotistas brasileiros do Opportunity Fund, com sede nas Ilhas Cayman, no Caribe.

Em nota enviada ao Uol Notícias, o advogado do grupo Opportunity Andrei Schmidt afirmou que seus clientes ainda não foram citados do recebimento da denúncia. “Independentemente disso, negamos veementemente as imputações recebidas pelo juízo. Os fatos narrados ou não constituem crime, ou estão baseados em provas fraudadas no âmbito da Operação Satiagraha”, diz.

Satiagraha e mensalão
A peça apresentada é a segunda denúncia do MPF no caso Satiagraha, operação da Polícia Federal que prendeu Daniel Dantas em julho do ano passado, juntamente com o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta e o megainvestidor Naji Nahas, entre outros investigados. Eles são acusados de lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e temerária de instituição financeira, evasão de divisas e formação de quadrilha. Os indiciamentos ocorreram no final de abril.

Contra o banqueiro Daniel Dantas, pesam as acusações de lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta de instituição financeira, evasão de divisas e crime de quadrilha e organização criminosa.

O Opportunity foi apontado como parte de um esquema que desembocaria no chamado "valerioduto", do escândalo do mensalão. Segundo a Procuradoria, por meio da Brasil Telecom, o grupo financiou contas do publicitário Marcos Valério, usadas no desvio de dinheiro público para o pagamento de parlamentares em troca de apoio político ao governo Lula. Este esquema nunca foi comprovado. Segundo o MPF, a Brasil Telecom firmou dois contratos superiores a R$ 50 milhões com as empresas de Valério — DNA Propaganda e SMP&B.

No dia da denúncia, em nota, o Opportunity classificou a acusação de “absurda” e taxou a Satiagraha de “fraude”. Segundo o grupo, “não há qualquer envolvimento do Opportunity com o mensalão, conforme já reconhecido pelo Poder Judiciário”.

Para o MPF, Dantas, Dório Ferman, presidente do Opportunity, e a irmã do banqueiro, Verônica Valente Dantas, constituíram “um verdadeiro grupo criminoso empresarial, cuja característica mais marcante fora transpor métodos empresariais para a perpetração de crimes, notadamente delitos contra o sistema financeiro, de corrupção ativa e de lavagem de recursos ilícitos”.

O MPF pediu, ainda, para que a Justiça requisitasse cópia e acórdão de recebimento da denúncia do Inquérito 2.245 (que investigou o mensalão) ao ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal. O juiz Fausto De Sanctis entendeu que a solicitação pode ser feita diretamente pelo MPF.

Revista Consultor Jurídico, 20 de julho de 2009, 18h41

Comentários de leitores

3 comentários

quero só ver

Carolaine ()

Agora vai.

la vai o "bucha" mais uma vez descendo a ladeira........

hammer eduardo (Consultor)

Acredito que o calvario do baiano rico e mal resolvido ainda deva durar um bom tempo. Daniel dantas terminou virando uma especie de ze sarney da economia big shot do Brasil, como certamente não topou pagar o que os "operadores" do des-governo do 9 dedos pediram , certamente ainda vai levar cascudos por um bom tempo ou ate que ameace "jogar no ventilador" tudo o que sabe e que por sinal não deve ser pouca coisa.
O Brasil esta passando por sua mais espetacular e infinita crise moral de todos os tempos portanto nada mais conveniente do que pegar um grande empresario não devidamente "afinado" com a quadrilha petralha/esquerdoide e culpa-lo se possivel ate pela gripe suina.
Ainda vão encher o saco dele por um bom tempo mas na moita bem sabemos que tudo isso vai dar no de sempre , ou seja, NADA pois afinal lembremos que cara de bolso gordo JAMAIS fica em cana nesta pindorama esfomeada. No maximo serão aquela tentativas de prisão "devidamente negociadas" com a blazer prateada da Rede Globo dando a noticia em primeira mão e o habeas-copus fresquinho e pingando tinta para assim que ele chegar na delegacia. Só não pode dever pensão alimenticia senão guardam o homem e ai complica pra soltar , vide o neo-falido jogador e "peixe" Romario que agora caminha celeremente para a venda de Biscoitos Globo nos sinais do Rio de Janeiro , afinal a cada dia aparece uma divida maior que a anterior.
Quanto ao Daniel dantas , com licença que vou vomitar pois não existe estomago que resista a este ciquinho patetico que agride a inteligencia coletiva. Ah Brasil , ate quando"

não falta nada?

dinarte bonetti (Bacharel - Tributária)

A matéria é importante. Essa nova denúncia coloca o país na rota da implantação real da democracia.
Entretanto, falta lembrar que não só o governo Lula se beneficiou do Valerioduto. Falta acrescentar que o esquena iniciou-se e foi todo arquitetado na campanha de reeleição do então governador de Minas Gerais, Eduardo Azeredo.
E falta ainda dizer que varios e criativos esquemas já foram montados com empreiteiras, grandes empresas, rede de TV, e que, por exemplo, elegeram Fernando Collor presidente da republica.
Realmente a democracia parece querer nascer realmente em nosso país. Prática democrática é o tema.

Comentários encerrados em 28/07/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.