Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Pedágio no Rodoanel

Sem taxa, concessionária cobraria verba do governo

Por 

A Procuradoria-Geral do Estado de São Paulo responde, por meio de sua assessoria de imprensa, que defendeu a volta da cobrança de pedágio no trecho oeste do Rodoanel Mario Covas, pois a ausência da verba traria grave lesão à ordem, segurança e economia públicas.

Em 8 de janeiro, decisão de primeira instância suspendeu a cobrança do pedágio. No dia seguinte, o Tribunal de Justiça de São Paulo aceitou o pedido de suspensão de liminar interposto pela procuradoria. Com isso, a concessionária responsável pelo trecho oeste do Rodoanel voltou a cobrar R$1,20 de pedágio, em 13 praças das vias.

Em nota enviada à ConJur, nesta sexta-feira(23/1), a PGE responde as alegações feitas pela advogada Carmen Patrícia Coelho Nogueira em notícia publicada neste site. Nesta semana, ela protocolou agravo no TJ-SP argumentando que a procuradoria defendeu interesses privados, e não públicos, ao pedir a suspensão da decisão que cancelou a cobrança de pedágio.

O órgão alega que coube à Fazenda do Estado de São Paulo como poder concedente, firmar contrato com a concessionária responsável pelo trecho oeste do Rodoanel. No acordo estava prevista a cobrança de pedágio, como uma das formas de remuneração das obras e investimentos realizados.

Sendo assim, a procuradoria entendeu que se o valor parasse de ser cobrado, como entendeu a primeira instância, a concessionária poderia cobrar do governo as verbas.

O agravo protocolado pela advogada no pedido de suspensão da liminar, que encerrou a cobrança, aguarda julgamento no Tribunal de Justiça de São Paulo.

Clique aqui para ler a decisão do TJ-SP e o pedido de suspensão da medida liminar feito pela PGE.

Leia abaixo a nota enviada pela assessoria de imprensa da PGE.

Com relação à reportagem "Advogada diz que procurador defendeu interesse privado em caso de pedágio", publicada no "Consultor Jurídico" em 21.01.09, cabe-nos esclarecer que a posição do Governo do Estado de São Paulo, representado legalmente por esta Procuradoria Geral do Estado de São Paulo nas questões judiciais, é da defesa intransigente dos direitos da população do Estado, no caso, especificamente, no que se refere à grave lesão da ordem, à segurança e à economia públicas.

Como poder concedente, regulado por legislação federal, coube à Fazenda do Estado de São Paulo firmar contrato com a empresa concessionária em questão com a previsão de cobrança de tarifa de pedágio como uma das formas de remuneração das grandes obras e investimentos realizados bem como dos serviços prestados pelas concessionárias do referido Rodoanel.

Assim sendo, caso a cobrança fosse suspensa, a empresa concessionária poderia eventualmente pleitear ao Governo do Estado a remuneração equivalente.

Portanto, é claro, como o próprio Poder Judiciário assim o entendeu, que a liminar traria prejuízo à Fazenda Pública.

De outro modo, estranhamos também a posição da referida advogada ao contestar em fórum que não o adequado, a decisão da Justiça.

Respeitosamente,

Sylvio Montenegro
Assessor de Imprensa
Procuradoria-Geral do Estado de São Paulo

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 23 de janeiro de 2009, 19h10

Comentários de leitores

4 comentários

VERGONHOSA AS ALEGAÇÕES DA PROCURADORIA....

Luiz P. Carlos (((ô''ô))) (Comerciante)

É lamentável a manipulação da Procuradoria que completamente alheia aos interesses do cidadão (LITERALMENTE CIDADÃO, DOS QUE RESIDEM NO PERIMETRO URBANO), o qual deveria resguardar direitos pétreos de ir e vir, nos casos que são obrigados a usar aquele trecho diariamente para seus atributos meramente corriqueiros, como ir a escola, ao hospital, as repartições publicas, ao bairro vizinho, visitar amigos, enfim uma infinidade de movimentos caracteristicamente urbanos.
Por principal, a decisão do MM. Juiz não foi o da EXTINÇÃO da cobrança do pedágio, mesmo porque essa esta regular e compatível com o que prevê a legislação, uma vez que se encontra em uma ESTRADA e não numa Rua ou Avenida, o que seria considerado CRIME DE EXTORSÃO, entre outros.
Portanto, a falácia procuradoriana de que o empreiteiro viria cobrar do estado, é mais um argumento típico e visível de quem não tem compromisso com os interesses primários da família em detrimento ao lucro fácil, uma vez completamente infundado, já que a praça será com toda certeza transferida para local apropriado e OPORTUNO PARA TAL, o que não inviabilizaria os lucros próprios do investimento sem a USURA e a GANANCIA desmedida que ora se registra em quase todas as praças de pedágio desse País.

Serrágio

Armando do Prado (Professor)

Mais uma monumental obra do Serrágio. Quem sabe, o Gilmar Dantas, segundo Noblat, sai candidato a vice na chapa do José Pedágio.

Nota Política?

Renato Bogner (Advogado Associado a Escritório)

Algo me intriga (obviamente entre tantas outras neste caso) a
reportagem acerca da interposição do recurso pela advogada foi escrita por uma jornalista do site, que diga-se de passagem escreveu a reportagem no qual estou comentando. Outro fato, os
autos deste processo são público, não são?.. então como é que a PGE pode alegar na nota que a "advogada contestou em fórum que não o adequado,
a decisão da justiça"???
Acredito também que a nota enviada pela PGE, com certeza, causaria inveja a qualquer maratonista, porque a velocidade em que foi divulgada só é comparável a velocidade.... hunnn vejamos... ahh.. do pedido de suspensão de liminar feito pela própria PGE...isso que é a concretização do p. da eficiência heinn!
Um fato engraçado (não existe outra palavra para utilizar neste caso) é que a alegação/princípio do interesse público é sempre tão
mitigado pelo próprio poder público que deveria saber utilizá-lo, porque será?
Ah.. somente uma consideração final, agora endereçado a jornalista que escreveu as 2 reportagens (que pasmem, não foi a advogada do processo), a discusão sobre decisões judiciais não é cabível neste site (jurídico), por este motivo, favor direcionar para o departamento de "fofocas", "alimentação".. o que couber melhor.
Att.,
Renato Bogner

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 31/01/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.