Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Oficialmente suspeita

Brasileira é indiciada e proibida de deixar a Suíça

A Promotoria Pública de Justiça de Zurique, na Suíça, indiciou a brasileira Paula Oliveira e proibiu que ela saia do país. De acordo com um comunicado divulgado pelo órgão, a advogada é “suspeita de induzir as autoridades ao erro”. Para impedir que a brasileira deixe a Suíça, a Promotoria bloqueou o seu passaporte. O órgão também pediu a indicação de um advogado público para defendê-la. As informações são da BBC Brasil e foram reproduzidas pela Agência Brasil.

“Essa medida garante que a mulher permaneça na Suíça o tempo que sua presença for necessária para o inquérito, até que todas as providências da investigação tenham sido tomadas”, afirma o comunicado.

Na segunda-feira (9/2), a brasileira informou à polícia suíça que havia sido agredida por um grupo de supostos neonazistas que teria feito cortes em seu corpo e provocado o aborto de dois bebês. Um legista do Instituto de Medicina Forense da Universidade de Zurique, entretanto, afirmou, depois de analisar exames, que Paula não estava grávida e cogitou a hipótese de que ela mesma possa ter feito os ferimentos em seu corpo.

Nesta terça-feira (17/2), o site da revista Época, afirmou que Paula Oliveira ainda teria comunicado a colegas de trabalho sua suposta gravidez de gêmeos com uma imagem de ultrassom que pode ser encontrada no Google. Quando Paula deu a notícia da gravidez, mandou em anexo ao e-mail a imagem de um ultrassom que os colegas de trabalho encontraram no Google Imagens. A imagem veio com o nome “Twins 6 wks” (“Gêmeos 6 semanas”). Fazendo uma busca com esses termos no Google, foi possível encontrar a mesma imagem no site about.com

Revista Consultor Jurídico, 18 de fevereiro de 2009, 15h59

Comentários de leitores

3 comentários

Brasileira é indiciada na Suíça e está proibida de deixar o

abreu (Advogado Autônomo)

Ouvi na GLOBO, no programa ANA MARIA, hoje, um perito analisando, e um reporter direto do local, informva que A CONFISSÃO feita não tinha valor pois não fora prestada na presença nem de seu advogado nem de autoridade neutra. Lembro-me das confissões feitas pelo PC, admitindo culpas e isentando o PARTIDO. Não vou dizer que seja a mesma coisa, mas na dúvida, beneficia à RÉ (in dubio pro reu) POR ESTA RAZÂO ALGUEM DOS DIUREITOS HUMANOS DEVERIA ESTAR PRESENTE POIS FORA RETIDO SEU PASSAPORTE impedindo-a de sair, pois ha duvida se necessita de tratamento psiquiátrico
Na Inglaterra, mataram um brasileiro no metrô e ficaram impunes. DIREITOS HUMANOS NELES PARA LISURA NAS INVESTIGAÇ^ÇOES.

na suiça, ao que parece tudo é diferente

araujocavalcanti (Advogado Autônomo - Família)

... talvez, a citada advogada, acostumada com o que existe no seu pais de origem, de uma forma geral, pensou que na Suiça pudesse fazer a mesmíssima coisa. clamar pelo coração, pelo público, pelo aspecto afetivo... e outros... deslembrando que a tecnologia lá existente não permite senão uma margem de erro muito pouco representativa. como a história ainda não teve um fim, aguardemos.para posteriores comentários, entretanto, estava no país errado para fazer qualquer tipo de graça, mormente, uma deste jaez.

Militante do Orkut

Armando do Prado (Professor)

Essa senhora que dizem ser advogada, combina, participa de um grupo no Orkut chamado "Eu odeio o PT". Explica algo?

Comentários encerrados em 26/02/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.