Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Natal em casa

Roger Abdelmassih deixa a prisão nesta quinta-feira

Por 

Acusado de cometer crimes sexuais, Roger Abdelmassih deixou a prisão nesta quinta-feira (24/12). Ele estava preso no 40º Distrito Policial, na Vila Santa Maria, na Zona Norte de São Paulo. O médico foi solto a partir de liminar concedida pelo ministro Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Federal.

De acordo com o ministro, não há risco de o médico voltar a cometer este tipo de crime já que seu registro médico está cassado pelo Conselho Nacional de Medicina desde 18 de agosto. O médico responde pela acusação de ter cometido dois estupros e atentados violentos ao pudor. Entre os crimes listados, há tentativas de beijar pacientes.

No pedido de Habeas Corpus, a defesa argumentou que o processo ao qual o médico está submetido ainda se encontra na primeira instância e não tem decisão, devendo vigorar em tais condições o princípio da presunção de inocência. De acordo com os advogados, o que é relevante é que nenhuma circunstância concreta foi apontada pelo Ministério Público ou pelo juiz de primeiro grau para justificar a prisão do médico.

A defesa já teve um pedido de Habeas Corpus negado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo e pelo Superior Tribunal de Justiça. De acordo com a defesa, a prisão provisória não serve para dar satisfação à sociedade, mas tem natureza excepcional e, por isso, deve ser utilizada apenas como instrumento de garantia e proficuidade do processo penal e não de punição.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 24 de dezembro de 2009, 13h42

Comentários de leitores

3 comentários

SERIADO CRIMINOSO

Joaca (Consultor)

Um psicopata não pode ser reintegrado a sociedade, profissionalmente,por lei.O Médico que faz tudo com amor,como disse a defesa,teve seu diploma casado pelo Conselho Nacional de Medicina.56 acasações de estupro a pacientes e a justiça libera um maluco desse,é bricar com a vagina dos outro deve ser uma maravilha.

discordo !

hammer eduardo (Consultor)

Gostaria de respeitosamente discordar do Professor Prado pois o fato recentemente ocorrido envolvendo o pseudo-taradão-bigodudo mostra de forma transparente MAIS UMA VEZ que a dita justiça?????? é apenas e muito eventualmente para o RESTO ( Nós inclusive ) pois os de bolso forrado que contratam bons Advogados conseguem "comprar" pela via paralela a Justiça que eventualmente venha a lhes interessar, e não adianta a chiadeira PORCOrativista de sempre , os fatos falam por si e contra eles não existem argumentos.
Conforme ja mencionei , o nome do brinquedo daqui para a frente sera simplesmente enrolar , enrolar , enrolar ate cruzar a "barreira magica" da impunidade total ao se chegar a fronteira magica dos 70 anos , aquele PORCO que matou a Jornalista Sandra Gomide com 2 tiros nas costas que o diga , lalau vem a reboque etc etc etc.
Prossigo incansavel na minha campanha solitaria pela libertação imediata de outros "incompreendidos sociais" como Fernandinho Beira Mar , Lambari , Marcola , afinal o estado-BANDIDO brasileiro que fornece essas ditas condições ideais para os espertos "da hora" , carece automaticamente de moral para manter encarcerados outros moralmente iguais porem de aspecto menos palatavel. Vamos deixar a hipocrisia de lado no acostamente e encarar de frente os nossos fantasmas do dia a dia. Continuo achando que neste caso do taradão-do-bigode , a chapa fica mais quente devido ao FATO de que as Vitimas em questão são Pessoas socialmente bem colocadas , se fossem as desdentadas e barrigudas da periferia , acabaria tudo na pizza de sempre. O que vai retardar positivamente para o meliante em questão o andamento do embrulho é a necessaria superação das barreiras das vergonhas pessoais

Justiça para quem?

Armando do Prado (Professor)

Consolida-se como verdade o que se fala à boca pequena: justiça é para quem tem dinheiro.

Comentários encerrados em 01/01/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.