Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Morte de Isabella

Sangue usado em investigações é do casal Nardoni

O exame de DNA feito a partir da nova amostra de material genético de Alexandre Nardoni e de Anna Carolina Jatobá comprovou que o sangue armazenado pelo Instituto de Criminalística é, de fato, do casal. De acordo com a Folha Online, o resultado foi confirmado nesta quarta-feira (9/12) pelo Ministério Público de São Paulo. Eles são acusados de matar a menina Isabella Nardoni, filha de Alexandre Nardoni e enteada de Anna Carolina Jatobá.

O exame foi feito a pedido da defesa dos acusados, que argumentava que o sangue armazenado no IC — e que foi utilizado para gerar grande parte das provas durante as investigações — não era do casal.

"Todas as provas da acusação foram geradas com base nesse material [o sangue do casal]. Mas eu tenho um documento assinado pelos dois [Alexandre e Anna Carolina] afirmando que não foi retirado sangue na época", afirmou o advogado Roberto Podval no mês passado. A Folha Online, entretanto, não conseguiu localizar o advogado nesta quarta-feira (9/12) para comentar os resultados.

O promotor Francisco Cembranelli informou, na ocasião da coleta do novo material genético, que o resultado não muda o andamento do processo e a contraprova não deverá ser usada pela acusação. "Essa é uma tentativa da defesa de encontrar alguma falha que desqualifique o trabalho da perícia e da acusação", afirmou.

O material genético de Nardoni e Jatobá foi coletado por peritos do IML (Instituto Médico Legal), acompanhados da defesa e da Promotoria, nos presídios feminino e masculino de Tremembé (a 147 km de São Paulo), onde eles estão presos, no início de novembro.

Apesar de ter aceitado fazer o exame genético, o juiz Maurício Fossen determinou que o material coletado — mucosa da parte interna da boca, fio de cabelo ou outro material compatível — fosse examinado pelo IC, e não por peritos apontados pela defesa dos Nardoni, como pedia a defesa segundo o Ministério Público.

Crime
A menina Isabella morreu no dia 29 de março de 2008, quando foi jogada do sexto andar do prédio onde moravam seu pai e sua madrasta, na zona norte de São Paulo. O casal foi preso em maio daquele ano e permanece na prisão desde então.

Os desembargadores da 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo decidiram que o casal deve ser levado a júri popular pelo crime. O julgamento ainda não tem data definida, mas a expectativa da Justiça é que ocorra em 2010.

Revista Consultor Jurídico, 9 de dezembro de 2009, 18h51

Comentários de leitores

3 comentários

Estratégia ou tiro pela culatra?!

BATMAN (Advogado Autônomo - Criminal)

Soou estranho nos anais dos operadores do direito militantes na área criminal o resultado desta perícia, isso pelo fato dela ter sido requerida pela própria defesa.
.
Das duas uma, ou o i. patrono tem uma estratégia misterioriosa (talvez, postergar o fim da instrução para esfriarem os ânimos sociais), ou seus clientes não aprenderam que para o advogado e para o padre se deve contar "todos" os pecados!
.
Omitir fatos e verdades de um advogado criminalista pode levar o cliente à desgraça, isso porque a instrução processual é como o famoso joguinho "campo minado", se escolhermos o ponto errado, EXPLODIMOS!
.
Será que a defesa pisou numa mina acreditando ser terra firme?! Fica aí a pergunta.
.
Enquanto isso, na Sala da Justiça...

Parabéns ao Ministério Público!

Simarques Ferreira (Advogado Autônomo - Tributária)

A gravidade do caso determina perícia, prudência, seriedade e transparência por parte do órgão acusador, que preenche todos esses requisitos, merecendo todo o respeito e admiração da sociedade, que aguarda veredicto justo.

A mídia já processou e deu o veredicto

Armando do Prado (Professor)

Favas contadas. Desde o início a mídia da unanimidade fez a instrução, julgou e condenou. Nada há a fazer.

Comentários encerrados em 17/12/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.