Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Combate à corrupção

MPF participa de painel em Paris no dia 9 de dezembro

A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) promoverá em sua sede, em Paris, na França, no próximo dia 9 de dezembro, o Dia Internacional contra a Corrupção, o painel "Foreign Bribery: Who Pays the Price?" (Suborno Internacional: Quem Paga o Preço?). O painel marca o décimo aniversário da Convenção sobre o Combate à Corrupção de Funcionários Públicos Estrangeiros em Transações Comerciais Internacionais.

O procurador regional da República Wellington Cabral Saraiva, que atua na Procuradoria Regional da República da 5ª Região, em Recife (PE), participará do painel como representante do Ministério Público Federal e foi designado pelo procurador-geral da República. Ele fará uma apresentação sobre a experiência do Brasil na repressão criminal a casos de suborno transnacional.

Fundada em 1961, a OCDE é uma organização que reúne 30 países comprometidos com a democracia e a economia de mercado. Um de seus principais objetivos é auxiliar os governos a desenvolver e aplicar políticas de combate à corrupção internacional. Embora não seja país-membro da OCDE, o Brasil ratificou a Convenção sobre o Combate à Corrupção de Funcionários Públicos Estrangeiros em 2000.

Wellington Saraiva é membro do Grupo de Trabalho do MPF sobre Crimes Financeiros e Lavagem de Bens, representante do MPF na Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (ENCCLA) e instrutor do Programa Nacional de Capacitação e Treinamento para o Combate à Lavagem de Dinheiro (PNLD).

Segundo o procurador, “a corrupção é uma das principais fontes da desigualdade no Brasil. Dezenas de milhões de reais destinados a obras públicas e a programas essenciais como educação, saúde e segurança são desviados por gestores corruptos. A vítima é a população. É fundamental que o eleitor não vote em gestores desonestos e que o sistema criminal seja mais eficiente e rigoroso na punição desses crimes. Não pode haver tolerância à corrupção”. Com informações da Assessoria de Imprensa da Procuradoria Regional da República da 5ª Região.

Revista Consultor Jurídico, 7 de dezembro de 2009, 14h19

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 15/12/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.