Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Grampos ilegais

Juiz De Sanctis será ouvido pela PF na quinta, em São Paulo

O juiz Fausto Martin De Sanctis, da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, vai ser ouvido pela Polícia Federal na tarde da próxima quinta-feira (25/9), na sede da instituição, na capital paulista. As informações são da Agência Brasil.

O depoimento do juiz será tomado no inquérito que investiga grampos ilegais feitos durante a Operação Satiagraha, que ele comandou. A revista Veja revelou, em agosto, diálogo telefônico grampeado entre o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, e o senador Demóstenes Torres (DEM-GO). Há a suspeita de que esse e outros grampos foram feitos por um ex-agente do SNI e por servidores da Abin recrutados pelo delegado Protógenes Queiroz para atuar na operação.

De Sanctis será ouvido depois de a desembargadora Suzana Camargo, vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, ter confirmado à PF que o juiz lhe contou, em julho, detalhes sobre conversas captadas em ações de espionagem feitas no Supremo. Suzana Camargo disse à Polícia que ouviu do juiz a informação de que o presidente do STF foi monitorado. Em 10 de julho, ela telefonou para Gilmar Mendes para avisar que ele estava sendo espionado, como revelou a revista Consultor Jurídico.

Em depoimento à CPI das Escutas Telefônicas Clandestinas, na Câmara dos Deputados, em agosto, o juiz negou que tenha conhecimento de qualquer escuta telefônica ou outro tipo de monitoramento no gabinete de Gilmar Mendes.

Promoção a caminho

O TRF-3 confirmou que o juiz Fausto De Sanctis pode deixar a 6ª Vara Criminal e ser promovido a desembargador do tribunal, o que faria com ele deixasse a frente da Operação Satiagraha. De acordo com o TRF-3, duas vagas estão em aberto com a morte de um desembargador e a aposentadoria de outro e o juiz Fausto De Sanctis poderia concorrer a uma delas por ser o juiz mais antigo e há mais tempo no cargo. Para concorrer às vagas, o juiz teria de fazer sua inscrição e ser aprovado em sessão do Órgão Especial. O tribunal não confirmou se o juiz já teria feito a sua inscrição.

Revista Consultor Jurídico, 22 de setembro de 2008, 21h23

Comentários de leitores

3 comentários

"..a desembargadora Suzana Camargo, vice-presid...

futuka (Consultor)

"..a desembargadora Suzana Camargo, vice-presidente do TRF-SP também foi ouvida pela Polícia Federal e teria confirmado, em seu depoimento, ter ouvido de DE Sanctis o relato sobre conversas reservadas interceptadas dentro do gabinete do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes.".. -QUE FALTA DE VERGONHA NA CARA, CÍNICO! Está então confirmando em suas declarações formais a excelentíssima senhora desembargadora que a conduta de dito magistrado é e foi sem sombra de dúvida contaminada pelo PODER do 'grampo' - eu já vi esse filme!

Por primeiro é oportuno esclarecer que o cidadã...

Paulo Jorge Andrade Trinchão (Advogado Autônomo)

Por primeiro é oportuno esclarecer que o cidadão em comento NÃO é - graças ao bom Deus! -desembargador. Por segundo, a julgador algum lhe é permitido violar o ordenamento jurídico pátrio. Por terceiro, não se pode olvidar que o arrogante magistrado é empregado do povo, seus vencimentos são pagos religiosamente pelo suor do contribuinte brasileiro e, portanto, lhe é defeso cometer atos delinqüentes, como é o mesmo suspeito de cometê-los. Por fim, somenete nas cabeças dos incautos juiz é DEUS(às avessas!). No mais, que vá para o inferno conceitos estultas e descabidos, de que o juiz ´´e invulnerável e, portanto, pode tudo, pode uma ova!

Ensina a milenar lógica (desde Aristóteles)qu...

José R (Advogado Autônomo)

Ensina a milenar lógica (desde Aristóteles)que duas afirmações contrárias - lançadas numa mesma relação de espaço e tempo - não podem ser simultaneamente verdadeiras. Uma delas será, necessariamente, falsa. No caso...bem, no caso, nunca, em tempo algum, qualquer pessoa fez qualquer reparo à impecável conduta da Desembargadora, uma das mais cintilantes expressões da Magistratura Federal no Brasil.

Comentários encerrados em 30/09/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.