Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Tempo para julgar

Só há constrangimento quando demora em julgar for injustificada

O prazo estabelecido legalmente para a conclusão da instrução criminal não é absoluto. O constrangimento ilegal por excesso de prazo só pode ser reconhecido quando a demora for injustificada. A observação foi feita pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Humberto Gomes de Barros, ao negar liminar em Habeas Corpus para um acusado de homicídio.

Após ser denunciado pelo crime previsto no artigo 121, parágrafo 2º, IV, do Código Penal, a Defensoria Pública entrou com Habeas Corpus. O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul negou o pedido de liberdade para o acusado.

No STJ, a defensora alegou constrangimento ilegal em virtude de excesso de prazo para encerramento da instrução criminal. Segundo a defesa, o acusado está preso desde o dia 19 de outubro do ano passado, sem que os interrogatórios das testemunhas arroladas pela acusação tenham se encerrado.

A prisão foi mantida. Ao negar a liminar, o presidente do STJ observou que o prazo para encerramento da instrução processual não é absoluto e deve ser examinado à luz dos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade. “Consideradas as peculiaridades do caso, como a complexidade da causa ou quantidade de réus envolvidos no fato delituoso, [o prazo] pode ser dilatado”, considerou Gomes de Barros.

“Assim, tendo em conta a informação do acórdão recorrido, as circunstâncias do caso justificariam, por ora, o encerramento da instrução em período que ultrapassa o legalmente previsto”, concluiu o presidente.

Após a chegada das informações solicitadas pelo ministro ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, o processo segue para o Ministério Público Federal, que vai emitir parecer sobre o caso. Retorna, em seguida, ao STJ, onde será relatado pelo ministro Napoleão Nunes Maia Filho e levado a julgamento na 5ª Turma.

HC 110.556

Revista Consultor Jurídico, 22 de julho de 2008, 14h07

Comentários de leitores

2 comentários

Um comentário objetivo. A OAB não é estamento, ...

Ramiro. (Advogado Autônomo)

Um comentário objetivo. A OAB não é estamento, tem diretoria eleita que reflete o pensamento e expectativas médias da maioria da advocacia. Quando a OAB e a Advocacia vão tomar o caminho da CIDH-OEA?? Petições com base nos artigos 8, 24 e 25 c/c art. 29, todos n/f art. 1 do Pacto de San Jose da Costa Rica, Convenção Americana Sobre Direitos Humanos, quando?

E, com essa decisão, legaliza-se, à revelia da ...

Paulo (Outros - Civil)

E, com essa decisão, legaliza-se, à revelia da lei, que o peso da lentidão do Judiciário recaia sobre os réus desprovidos de amigos importantes.

Comentários encerrados em 30/07/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.