Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Novo passo

Empresa criada a partir da Varig deve operar em março

Por 

A falência da Varig acarretaria um prejuízo enorme e a ilusão dos empregados de que receberiam algo com a decretação. A conclusão é do juiz que comandou o processo de recuperação da Varig, Luiz Roberto Ayoub, e que chega ao fim em julho. O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro fez um balanço, nesta sexta-feira (15/2), das etapas de reestruturação da empresa. Dirigentes da Flex, uma das companhias criadas a partir do processo, previram que em março ela estará pronta para operar.

Ayoub afirmou que não considera a possibilidade de falência. “A esperança é de que a empresa vá decolar”, afirmou. O juiz foi categórico ao afirmar que recuperar a empresa foi a melhor solução. “Aos empregados era a única e melhor decisão”, afirmou.

Já o vice-presidente do TJ, desembargador Sylvio Capanema, explicou que a Lei de Recuperação Judicial não afastou a falência. “É dever do Judiciário preservar as empresas que demonstrem que ainda podem ser salvas”, afirmou. Segundo ele, caso uma empresa mostre que não tem possibilidade de se manter, o Judiciário pode decretar sua falência.

Não foi o caso da Varig. Parte desta foi adquirida pela Gol, que manteve a bandeira da tradicional companhia aérea, mas que se tornou uma nova empresa, a VRG Linhas Aéreas. Segundo o diretor de marketing da VRG, na época em que foi adquirida a empresa tinha dois mil funcionários e pretende alcançar quatro mil até o final do ano. Além disso, eram apenas 18 aeronaves e a previsão é de que chegue a 43. Com a operação da companhia, Ayoub afirmou que, além dos empregos diretos gerados, o governo também se beneficiou com os mais de R$ 83 milhões pagos em tributos e encargos.

O gestor da Flex, comandante Miguel Dau, prevê que a nova companhia passará a funcionar em março. A empresa possui cerca de 300 funcionários que trabalharão na própria companhia, em um centro de treinamento e estações de rádio. Por enquanto, há apenas uma aeronave que será utilizada para fretamentos. Quanto aos investimentos, faltam aproximadamente R$ 50 milhões para que a empresa atinja o plano de negócios e inclua operações regulares. O dinheiro viria das ações judiciais. Dau diz que as coisas vão mudar quando a empresa começar, de fato, a voar.

 é correspondente da Consultor Jurídico no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 15 de fevereiro de 2008, 17h42

Comentários de leitores

5 comentários

A Comissão de Trabalho, Legislação Social e Seg...

veritas (Outros)

A Comissão de Trabalho, Legislação Social e Seguridade Social da Assembléia Legislativa do Rio irá realizar na próxima terça-feira (19/02), às 14h, na sala 316 do Palácio Tiradentes, uma audiência pública para tratar da situação dos ex-funcionários da Varig e dos aposentados da Aerus, o fundo de pensão da companhia aérea extinta. A dívida existente entre o Governo federal e a Varig chegou ao fim, e, com a liberação desse dinheiro, a empresa fará o pagamento dos salários e direitos trabalhistas que deve a essas categorias. A comissão quer funcionar como intermediária nessa questão, a fim de fazer com que esse pagamento seja feito de forma rápida. Aproveitando a oportunidade, o presidente da comissão, deputado Paulo Ramos (PDT), vai apresentar, durante a audiência, o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Varig, que também foi presidida pelo pedetista. “Queremos, além de apresentar o relatório da CPI, que teve um resultado muito positivo, intermediar essa questão que envolve os ex-funcionários e aposentados, pois não é justo que o dinheiro liberado demore mais tempo para ser pago”, declarou o parlamentar. Foram convidados para o encontro representantes do Ministério Público do Trabalho (MPT), do Ministério do Trabalho (MT) e da Delegacia Regional do Trabalho (DRT-RJ). « Fechar » © Copyright 2008 Alerj

15/02/2008 - 22:07 Compra da Varig gera prejuí...

veritas (Outros)

15/02/2008 - 22:07 Compra da Varig gera prejuízo à Gol Gol registrou seu primeiro prejuízo desde o início das operações, em 2001: http://www.monitormercantil.com.br/mostra_noticia.asp?id2=48559&cat2=financeiro

RECUPERAÇÃO DESTA MANEIRA ??? 15 de Fever...

veritas (Outros)

RECUPERAÇÃO DESTA MANEIRA ??? 15 de Fevereiro de 2008 - 19h38 - Última modificação em 15 de Fevereiro de 2008 - 19h38 Empresa que herdou dívidas da Varig começa a operar em março Repórter da Agência Brasil "Ele, no entanto, ressaltou que a sobrevivência da Flex está nas mãos do Supremo Tribunal Federal (STF). Isso porque tramita, na corte, uma ação da antiga Varig, com o objetivo de recuperar o dinheiro perdido com o congelamento de tarifas durante o Plano Cruzado, nos anos 80. “Se por algum motivo perdermos essa ação no Supremo, será impossível a sobrevivência da Flex e das empresas em recuperação”, afirmou. “Não haveria recursos e fontes que viabilizassem o enfrentamento do passivo atual da companhia.” QUE RECUPERAÇÃO É ESTA QUE PRECISA DE INDENIZAÇÃO DO GOVERNO PARA SOBREVIVER ???? SINCERAMENTE !!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/02/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.