Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ex-promotor

Promotor que assassinou mulher grávida perde o cargo

Por 

O Ministério Público de São Paulo determinou a perda do cargo do promotor Igor Ferreira da Silva, condenado a 16 anos de reclusão pelo assassinato de sua mulher, a advogada Patrícia Aggio Longo, de 27 anos. A decisão do MP será publicada no Diário Oficial nesta quarta-feira (4/1) e foi tomada porque a condenação do promotor transitou em julgado — não cabe mais recurso.

Patrícia foi morta em junho de 1998, grávida de sete meses, com dois tiros na cabeça, na estrada de um condomínio em Atibaia, cidade a 60 km da capital paulista. Igor Ferreira continua foragido.

A Procuradoria-Geral de Justiça denunciou o promotor por homicídio qualificado e por aborto. Em 18 de abril de 2001, Igor Ferreira da Silva foi condenado a 16 anos e quatro meses de reclusão pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo. Foi a primeira vez na história que um promotor foi julgado por homicídio perante o TJ paulista.

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 3 de janeiro de 2006, 16h38

Comentários de leitores

1 comentário

Antes tarde do que nunca, agora só falta coloca...

boca (Advogado Autônomo - Empresarial)

Antes tarde do que nunca, agora só falta coloca-lo na jaula.

Comentários encerrados em 11/01/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.