Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Voz do povo

Redução da idade penal tem apoio de 85% em São Paulo

A maioria dos paulistas é favorável à redução da maioridade penal (85%) e à proposta de obrigar presos a trabalharem (97%). Também a maioria, mais de 52%, é a favor da aplicação do regime aberto e penas alternativas para crimes de baixa gravidade. O retrato das convicções dos 40 milhões de habitantes de São Paulo sobre o assunto está em pesquisa exclusiva Estado/Ibope, publicada nesta quarta-feira (2/8) no jornal O Estado de S. Paulo.

Oferecer trabalho aos presos e responsabilizar penalmente menores a partir dos 16 anos são quase unanimidades, sem levar em conta diferenças de sexo, idade, nível de escolaridade, renda familiar, religião, cor e a região dos 1.204 entrevistados pelo Ibope em 64 cidades do estado, entre 28 e 30 de julho. A aceitação do regime aberto e das penas alternativas para crimes de baixa gravidade tem oscilações grandes entre os grupos sociais ouvidos, com uma tônica geral: quanto maior a renda e a escolaridade, maior a compreensão da necessidade de aceitar essas medidas para evitar presídios superlotados.

Os mais pobres, com renda até dois salários mínimos, e com escolaridade até a quarta série interpretam as penas alternativas como sinônimo de impunidade, artifício para deixar criminosos soltos, e engrossam o conjunto dos 37% que são contra o sistema de progressão das punições e a política que evita misturar quem cometeu pequenos delitos com condenados perigosos. Quase 40% dos paulistas defendem punições rígidas a todos tipos de crimes.

Se a diferença entre os que são a favor (97%) e contra (2%) o trabalho para os presos chega a 95 pontos porcentuais, e a diferença entre os que são a favor (85%) e contra (10%) a redução da maioridade penal é de 75 pontos, a distância entre opiniões quando a pergunta versa sobre adoção do regime aberto e penas alternativas para crimes de menor gravidade cai para 15 pontos porcentuais. São 52% os favoráveis e 37% os contrários.

Entre os que têm escolaridade até no máximo a quarta série do ensino fundamental as penas alternativas e a progressão têm menor aceitação. A diferença de opiniões nesse extrato é de só 4 pontos porcentuais. A maioria — 44% a 40% — é contra as penas alternativas e o regime de progressão. A diferença a favor das punições alternativas cresce com o aumento de escolaridade: 53% a favor e 35% contra entre os entrevistados que têm entre a quinta e a oitava séries; 56% a favor e 35% contra entre os que têm ensino médio, e 60% a favor das penas alternativas e 34% contra entre os que têm ensino superior.

Entre os entrevistados de maior poder aquisitivo, com renda de mais de dez salários mínimos, 63% são a favor das penas alternativas e 28% contra. Entre um e dois mínimos há uma diferença de 4 pontos porcentuais - 46% a favor e 42% contra as penas alternativas e a progressão das punições. Isso redunda em quase empate técnico, uma vez que a pesquisa Estado/Ibope tem margem de erro de 3 pontos porcentuais para mais ou para menos. Na faixa de um salário mínimo, a diferença é só de 5 pontos.

Ainda que igualmente polêmica, a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos revela-se idéia de ampla aceitação (85%), com particularidades que registram pequenas variações entre os entrevistados. Quanto mais idade e maior a renda, maior a adesão. Até mesmo na faixa da população entre 16 e 24 anos a adesão à redução da responsabilidade penal chega à casa dos 80%. Entre os com idade acima de 50 anos, a idéia é defendida por 89% dos ouvidos.

As famílias de renda mais baixa, que vivem em áreas metropolitanas mais degradadas, com menos segurança pública e mais sujeitas ao envolvimento com delitos violentos temem mais pela eventual imposição da redução da maioridade penal. São contra a redução 84% entre os que ganham de um a dois mínimos e 81% entre os que ganham até um mínimo; há 89% de adesão à idéia entre os que têm renda superior a dez mínimos.

Revista Consultor Jurídico, 2 de agosto de 2006, 16h42

Comentários de leitores

7 comentários

Vamos fazer uma pesquisa sobre os melhores méto...

Maria (Funcionário público)

Vamos fazer uma pesquisa sobre os melhores métodos de tratamento para infertilidade? E que tal fazer uma sobre as melhores técnicas de soldagem? Quando é que os manipuladores de notícia vão entender que o conhecimento do leigo não deve promover modificação de ordem técnica? O exercício da democracia implica em consciência e conhecimento do problema, e não em manipulação oportunista, alimentada pela mídia escandalosa, que nunca vai a fundo nas questões, disseminando opiniões pré-estabelecidas e não estimulando debates (salvo raras exceções, como um Mino Carta, um Alexandre Machado, jornalistas respeitáveis). Certamente, se conhecessem como funciona o nosso sistema penal, as 1.204 pessoas que representaram os milhões de habitantes do Estado de São Paulo na pesquisa, "votariam" diferentemente. Aliás, poucos sabem que a maioria dos presidiários gostaria de trabalhar, mas que pouquíssimas vagas existem. Poucos sabem também que o sistema penal deve buscar a reabilitação do preso e não sua degradação. Manter mais de 100 homens, num cela em que cabem 15, sem água, sem instalação sanitária é adequado? Justiça não é vingança. Nós já evoluímos um pouquinho, não acham?

E então senhores? Democracia! Ou como diz o vul...

Richard Smith (Consultor)

E então senhores? Democracia! Ou como diz o vulgo; "Voz do povo, voz de Deus" Ou a tão decantada democracia (poder do povo, pelo povo e para o povo) não vale quando a sua voz destoa da dos "iluminados"? E quanto à Pena de Morte, nada?

Reduz para 12 anos só para ver o que acontece.

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Reduz para 12 anos só para ver o que acontece.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/08/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.