Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Mudança de quadro

Delegado paulista não vai a Brasília para indiciar Palocci

Por 

O ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci vai depor nesta quinta-feira (27/4) em Brasília, em investigação sobre o suposto recebimento de propina de R$ 50 mil mensais da empresa Leão Leão, de Ribeirão Preto.

O depoimento vai ocorrer na Polinter (Polícia Interestadual), em Brasília. Palocci vai ser indiciado pelos crimes de peculato (funcionário público que se apropria de dinheiro em função do cargo que ocupa ou de bem público), falsidade ideológica e formação de quadrilha.

Nesta terça-feira (25/4), ocorreram mudanças significativas na coreografia do depoimento. O delegado seccional de Ribeirão Preto, Benedito Antonio Valencise, que ouviria Palocci, não vai mais se deslocar a Brasília, como estava acertado. O depoimento ocorre agora sob emissão de carta precatória, a ser cumprida por policiais civis de Brasília.

Telefonema disparado ao delegado Benedito Antonio Valencise por um cacique da Polícia Civil de São Paulo sinalizou que “nunca” na história da Polícia Civil do Estado de São Paulo uma equipe havia se deslocado para tão longe em cumprimento de oitiva em local escolhido pelo depoente, mesmo sendo ele ex-ministro de Estado.

Na Polícia Civil de São Paulo essa mudança de ritual teve duas leituras: a primeira dá conta de que ir a Brasília especialmente para se ouvir um ex-ministro seria dar muita importância a um caso já tido com “esclarecido”. A outra versão sinaliza que a ida especial a Brasília poderia ser considerada “persecutória demais”, ensejando ser explorada pela imprensa com ares de “perseguição implacável”.

Até agora a única indiciada nas investigações sobre um suposto esquema de propina na coleta de lixo da prefeitura de Ribeirão Preto é a engenheira Luciana Muscelli Alecrim, ex-diretora técnica do Daerp — Departamento de Água e Esgotos de Ribeirão Preto.

A acusação de que Palocci recebia propina partiu do ex-assessor do petista na prefeitura de Ribeirão Preto, o advogado Rogério Buratti. Em depoimentos, Buratti afirmou que o ex-secretário de Fazenda de Palocci em Ribeirão Preto, Ralf Barquete, morto em 2004, entregava mensalmente ao então tesoureiro do PT, Delúbio Soares, R$ 50 mil. As entregas, segundo Buratti, foram feitas durante o ano de 2001 e 2002, período em que Palocci era o prefeito da cidade.

A aproximação entre Buratti e Palocci começou em 1992, quando Buratti captou recursos para a campanha à prefeitura da cidade do interior paulista. Com a vitória de Palocci, Buratti se tornou seu homem-forte. Passados dois anos, deixou o cargo com o vazamento de gravação em que negociava a distribuição fraudulenta de obras com empreiteira.

Anos depois, Buratti assumiu um cargo administrativo na maior empreiteira da região de Ribeirão, a Leão Leão. Chegou a vice-presidente do grupo, onde ficou até 2004. Saiu de kpa, atirando em Palocci.

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 25 de abril de 2006, 20h30

Comentários de leitores

4 comentários

Dijalma Lacerda Tem acontecido que nós, Advo...

Dijalma Lacerda (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Dijalma Lacerda Tem acontecido que nós, Advogados, quando solicitados, sempre temos facilitado a atuação da polícia judiciária para a oitiva de nossos clientes. Será que não teria valido a pena um bom entendimento, até para que não se gastasse tanto dinheiro? Dijalma Lacerda

Dijalma Lacerda - Pres. OAB/Campinas/Cosmópolis...

Dijalma Lacerda (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Dijalma Lacerda - Pres. OAB/Campinas/Cosmópolis/Paulínia. Falar em propina no "esquema" de coleta do lixo em Ribeirão Preto/SP., gostaríamos de saber, principalmente de nossa imprensa investigativa (que quando quer fica sabendo de tudo) a quantas anda o inquérito da apuração da morte do Ex-Prefeito Antonio da Costa Santos -"Toninho do PT". Preocupa sobretudo, porque não é brincadeira o que já se colheu de prova nos autos (e igualmente, ao que se depreende, fora dele), e até agora nada. Ora, será que é tão difícil assim concluir que Toninho foi morto por causas outras que não a simples coincidência de pelo mesmo local estarem passando assaltantes? Como ficou, por exemplo, aquele história de que um médico do Carandiru teria ouvido, dias antes do assassinato, que o Prefeito de Campinas seria assassinato? Isto consta dos autos ! Como fica o fato de que muitas pessoas, mencionadas como sabedoras de fatos importantes, não tinha sido ouvidas nos autos? Por quê? Enfim... Dijalma Lacerda.

Atencao !!!!! atencao!!! vai ser distribuid...

ivosleite (Advogado Autônomo - Comercial)

Atencao !!!!! atencao!!! vai ser distribuido pizza em Brasilia, detalhe de graca , conta paga por um peixe grande....

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/05/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.