Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crime hediondo

Decisão do STF sobre progressão não vincula, diz juiz

O juiz Éder Jorge, da 4ª Câmara Criminal de Goiânia, negou o pedido de progressão de regime do réu Cleidson Rodrigues dos Santos, condenado a quatro anos de reclusão, em regime integralmente fechado, por tráfico de drogas, crime considerado hediondo.

O juiz esclareceu que sempre acreditou na constitucionalidade da Lei 8.072/90 (artigo 2º, parágrafo 1º), que proíbe o regime progressivo de cumprimento de pena privativa em liberdade para condenados por crimes hediondos, e que a possibilidade é apenas de liberdade condicional após o cumprimento de dois terços da pena.

O juiz ressaltou que a decisão do Supremo Tribunal Federal, por maioria apertada (6 a 5), que declarou a inconstitucionalidade da lei, não vincula as demais instâncias judiciárias. “Isto significa que os demais tribunais e juízes estão livres para continuar aplicando o artigo 2º, parágrafo 1º, da Lei 8.072/90. Esse é o nosso sistema constitucional. A vinculação só existe no mesmo processo, com exceção das ações declaratórias de constitucionalidade e inconstitucionalidade e súmula vinculante”, observou.

Explicou ainda que mesmo que a súmula vinculante estivesse regulamentada, não seria possível editá-la nessa questão, já que o artigo 103 da Constituição Federal exige voto favorável de 2/3 dos membros do STF.

“Quanto à discussão sobre a inconstitucionalidade da norma supra mencionada, no recente julgamento proferido pelo STF, ficou patente o quanto está distante um entendimento a esse respeito (HC 82.959). Enquanto o Senado Federal não expurgar o mencionado dispositivo legal, pode o juiz continuar a aplicá-lo, orientado por sua convicção”, frisou.

Com relação à individualização da pena, Éder Jorge observou que o juiz aplica a pena de acordo com as circunstâncias pessoais de cada réu. “Há efetiva individualização da pena, na medida em que se analisa, individualmente, as circunstâncias judiciais previstas no artigo 59 do Código Penal. E a Constituição, ao dispor sobre a individualização da pena, prevê a privação ou restrição da liberdade, perda de bens, multa, prestação social alternativa e suspensão ou interdição de direitos, não fazendo referência expressa à progressão de regime (CF, art. 5º, XLVI)”, avaliou.

O juiz ainda justificou sua decisão explicando que várias estatísticas apontam para o fato de que grande parte dos reeducandos em regime semi-aberto volta a cometer crimes durante o benefício, o que, a seu ver, acaba afetando a paz social.

“No caso específico dos condenados por crimes hediondos, a reincidência é ainda mais grave, já que possivelmente alguns poderão cometer delitos caracterizados pela hediondez como homicídio qualificado ou em grupo de extermínio, estupro, latrocínio, extorsão mediante seqüestro, atentado violento ao pudor, genocídio, epidemia com resultado de morte, falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais, genocídio e tráfico ilícito de entorpecentes”.

Somente no mês passado, o TJ-GO negou dois pedidos de progressão de regime a condenados por crimes hediondos, divergindo da recente decisão do STF.

Revista Consultor Jurídico, 4 de abril de 2006, 15h43

Comentários de leitores

4 comentários

É CERTO QUE A DECISAO DO STF QUANTO À PROGRESSÃ...

abi (Advogado Autônomo)

É CERTO QUE A DECISAO DO STF QUANTO À PROGRESSÃO DE REGIME NÃO VINCULA.MAS TAMBÉM É CERTO QUE OS JUÍZES EM SUA MAIORIA ACABAM SEGUINDO A ORIENTACÃO DO STF. NESSAS HORAS A SÚMULA VINCULANTE, TANTAS VEZES GUERREADA, TORNA-SE UM INSTRUMENTO EFICAZ PARA EVITAR MILHARES DE RECURSOS.

rsssss. desculpe o erro de português acima eu e...

Rodrigo  (Advogado Autônomo)

rsssss. desculpe o erro de português acima eu estava escrevendo haja visto, e deixei "hajam" no lugar de "acham", portanto, quando lerem "hajam" leiam "acham".

São decisões como essas do Juiz de Goiás que de...

Rodrigo  (Advogado Autônomo)

São decisões como essas do Juiz de Goiás que deixam a população brasileira (LEIGA EM DIREITO), desconfiada e desacreditada em relação ao judiciário. Se a mais alta corte entendeu que a famigerada lei dos Crimes hediondos (como se os demais crime não fossem hediondos),é inconstitucional, como de fato é, acredito que os demais juizes deveriam seguir na mesma linha de interpretação, mesmo havendo discordência daqueles que hajam que a criminalidade será reduzida com leis mais severas (prisão perpétua e pena de morte), que comprovado está que nao houve redução nos crimes abarcados pela referida lei dos crimes hediondos. portanto, decisões do juizes singulares que mandam pro espaço o princípio da individualização da pena é prejudicial como um todo pro judiciário, pro sistema prisional do pais, como pra possibilidade de uma possível recuperação dos condenados primários e de bons antecedentes.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 12/04/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.