Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Do Leme ao Recreio

Juíza proíbe construção de quiosques em praias do Rio

Por 

Sustentou seu interesse no feito, nos termos do art. 1º da Lei n.º 9636/98, em face da existência de “terreno de Marinha” e acrescidos nas áreas a serem afetadas pelas obras e diante da possibilidade de eventual dano ambiental em área da areia da praia, considerada de preservação permanente.

No mérito, argumentou, em síntese, que o Município do Rio de Janeiro necessariamente deveria ter feito convênio com a União Federal para utilizar ou licitar a área objeto do contrato impugnado, o que não ocorreu, acarretando lesão ao patrimônio público federal, nos termos dos artigos: 1º e 2º, alíneas “a” e “b” da Lei n.º 4.717/65 c/c art. 5º, LXXIII da Constituição Federal.

Alegou, ainda, a violação aos princípios licitatórios estabelecidos na Lei n.º 8.666/93 e a existência de conexão em relação à Ação Civil Pública n.º 99.001.163927-2, processada perante o Juízo da 4ª Vara de Fazenda Pública da Comarca do Rio de Janeiro. Aduziu a falta de autorização da União Federal para a realização das obras em referência.

Requereu a procedência do pedido, em virtude:

a) do desrespeito à legislação ambiental;

b) da obrigatoriedade de convênio para licitar área de domínio da União Federal;

c) da necessidade de cessão para utilização da área de uso comum do povo; d) dos princípios constitucionais da proporcionalidade, da isonomia, da moralidade e da eficiência.

Anexou os documentos de fls. 228/250.

O Município do Rio de Janeiro ofereceu contestação às fls. 254/258, argüindo, em preliminar, a incompetência absoluta do Juízo para o julgamento da causa, ao argumento de que nenhum pedido foi formulado em face da União Federal e do IBAMA. Requereu a exclusão dos mesmos da lide.

Sustentou, outrossim, a inépcia da exordial, em face da ausência de pedido em relação aos demais réus, e, bem assim, a impossibilidade jurídica do pedido, visto que “o único pedido formulado nos autos é no sentido de anular uma licitação já encerrada” (fls. 255). Requereu a extinção do processo com fundamento no parágrafo único do art. 295 do CPC e anexou cópia do agravo de instrumento e da contestação que apresentou nos autos da ação civil pública, processo n.º 99.001.163.927-2.

Contestação da empresa Orla Rio Associados LTDA às fls. 279/307, alegando, em preliminar, a incompetência da Justiça Federal para o julgamento do feito, em face da suposta ilegitimidade ad causam da União Federal e do IBAMA.

No mérito, sustentou a decadência do direito dos autores de impugnar o

procedimento licitatório em tela e o respectivo contrato de concessão.

Anexou os documentos de fls. 309/393.

Os autores, às fls. 397, informaram ao Juízo que nada têm a opor acerca do requerimento de assistência formulado pela União Federal (fls. 222/250). O IBAMA também não se opôs (fls. 400).

Às fls. 402/405, a empresa Orla impugnou o pedido de assistência formulado pela União Federal. Anexou o documento de fls. 406.

Às fls. 408/413, o Município do Rio de Janeiro alegou a completa ilegitimidade da União Federal para integrar a lide.

A FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE - FEEMA, às fls. 415, qualquer relação jurídica com os processo licitatório impugnado, retirando a União Federal do pólo passivo, para figurar como assistente litisconsorcial dos autores, e, bem assim, deferindo a liminar, para que fossem suspensos os efeitos do contrato n.º 417/99, nos termos do art. 5º, § 4º da Lei n.º 4.717/65.

Às fls. 429/432, petição da empresa Orla Rio, requerendo a reconsideração da decisão de fls. 420/421, no que tange à liminar deferida, para suspender, tão somente, os efeitos das alíneas “a”, “d” e “e” da 4ªcláusula do contrato administrativo impugnado. Anexou os documentos de fls. 434/446.

Às fls. 447, o Juízo reconsiderou, em parte, a decisão de fls. 420/421, para permitir que se continuasse a exploração dos quiosques já existentes na orla de Copacabana.

Às fls. 452, foi deferida a extensão dos efeitos da decisão de fls. 447, para que a empresa ORLA RIO ASSOCIADOS LTDA continuasse a exploração comercial dos quiosques já existentes na orla do Leme, Arpoador, Ipanema, Leblon, São Conrado, Mirante, Barra, Recreio e Prainha, tendo em vista que tais áreas também se encontram incluídas no Contrato de Concessão n.º 417/99, conforme requerido às fls. 451.

Os autores interpuseram agravo de instrumento contra a decisão de fls. 447, conforme cópias de fls. 460/495.

O município do Rio de Janeiro interpôs agravo de instrumento contra decisão de fls. 420/421, conforme cópia de fls. 497/506.

Petição dos autores às fls. 508/520. Anexados documentos às fls. 521/569.

Promoção do MPF às fls. 572/579.

Às fls. 583/585, petição da ORLA RIO ASSOCIADOS LTDA, noticiando o julgamento da Ação Popular com objeto idêntico ao do presente feito - processo n.º 99.001.081641-1. Anexou parecer do Ministério Público e sentença proferida pelo Juízo da 6ª Vara de Fazenda Pública nos autos do referido processo (fls. 586/602).

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 30 de julho de 2005, 10h18

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 07/08/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.