Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Colarinho Branco

Credores da Boi Gordo processam controladores do grupo

Os diretores do Grupo Fazendas Reunidas Boi Gordo podem ter que responder por "crime do colarinho branco" (Lei 7.492/86). A informação da assessoria de imprensa da Associação dos Parceiros e Credores da Fazendas Reunidas Boi Gordo (APCBG) é a de que a entidade pediu nesta quinta-feira (31/1) a instauração de inquérito policial contra os principais diretores do Grupo Boi Gordo.

As irregularidades indicadas pelos advogados da APCBG são: emissão de contratos de investimento coletivo sem prévia autorização da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e a emissão de contratos de investimentos coletivos pela Casa Grande Parceria Rural Ltda., sob o nome de Instrumentos Particulares de Parceria Pecuária, sem a que a referida sociedade tivesse sido autorizada pela CVM.

Segundo a assessoria, verifica-se também a inexistência de lastro suficiente, inexistência de cabeças de gado, já que a Boi Gordo teria confessado um passivo de R$ 750 milhões, mas que só teria R$ 70 milhões em gado.

"Sem considerar os possíveis agravantes, a soma das penas máximas deverá chegar a 40 anos de reclusão", antecipa o advogado da Associação, Augusto Coelho.

Revista Consultor Jurídico, 31 de janeiro de 2002, 18h58

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 08/02/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.