Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Trote na USP é mantido

Calouros de Direito da USP assinam termo que legitima trote

Por 

Cerca de 60 calouros da Faculdade de Direito da USP assinaram um atestado ("termo de adesão ao trote") permitindo o tradicional "Banho na Sé". Nesse documento, os primeiranistas declaram que participaram do trote e assinaram o termo por vontade própria. Além disso, disseram que estão orgulhosos por serem a primeira turma "dentre as muitas que virão" a tomar banho espontaneamente.

O "Banho na Sé" é realizado na Faculdade há muitos anos. Os calouros percorrem em fila o caminho do Largo de São Francisco até a Praça da Sé, rodeados por veteranos que cantam as trovas da Faculdade.

No final do ano passado foi sancionada uma lei estadual que proíbe os trotes na USP, Unesp e Unicamp (lei 10.454). Também há uma Portaria da própria diretoria da Faculdade que trata do assunto.

Antes da saída dos alunos para a Praça da Sé, a Diretora da Faculdade, Ivete Senise Ferreira, tentou impedi-los. Desistiu quando ouviu das próprias "vítimas" que não tinham sido forçadas a assinar o documento e que estavam gostando da brincadeira.

Os estudantes compreendem as medidas adotadas pela diretoria pois "há muita tensão na universidade, em razão da morte de um calouro do curso de Medicina, o ano passado". Eles dizem que a Faculdade de Direito precisa manter uma posição de "vanguarda" no que se refere à regulamentação do trote.

Para eles, a assinatura do "termo de adesão ao trote" é mera precaução contra eventuais problemas e um complemento ao controle exercido pela diretoria.

Segundo o coordenador do grupo de trabalho pró-calouro da USP (GT/USP) e presidente da comissão de graduação da faculdade de física, Luís Carlos Gomes, a lei estadual que trata dos trotes "chove no molhado", pois as práticas violentas que a lei condena já são devidamente proibidas por outros instrumentos legais.

De acordo com Gomes, essa lei foi uma resposta à pressão social e política contra a prática do trote, que atingiu seu ápice com a tragédia ocorrida na faculdade de Medicina Pinheiros.

O coordenador do GT/USP é favorável a medidas preventivas contra o constrangimento dos alunos, como por exemplo um "workshop" sobre violência realizado em agosto de 1999, em que estavam presentes representantes dos centros acadêmicos das faculdades e do núcleo de estudos de violência da USP.

Um dos principais feitos do GT/USP foi a organização da semana de recepção dos calouros, que durou do dia 21 ao dia 27 de fevereiro. Cada faculdade enviou à reitoria da universidade programas com atividades voltadas para a integração dos novos alunos no ambiente acadêmico.

Foram aplicados principalmente os chamados "trotes-cidadão", como, por exemplo, doação de sangue, recolhimento de alimentos para instituições de caridade, atividades "amistosas de integração", palestras e outros eventos culturais.

Gomes encarou com certa dose de humor a atitude dos estudantes de Direito e disse que, quanto ao aspecto jurídico da iniciativa, não poderia tecer comentários. Mas, do ponto de vista ético, havendo concordância e vontade dos calouros em tomar o famoso "banho", ele não pode fazer oposição.

Para ele "o problema do trote é cultural. As pessoas desejam submeter-se às brincadeiras. É uma comemoração. Talvez o trabalho contra o trote devesse ser feito nos cursinhos e nas escolas".

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Portugal.

Revista Consultor Jurídico, 29 de fevereiro de 2000, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 08/03/2000.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.