Consultor Jurídico

Promoção da cultura

STF valida reserva para filmes nacionais e programas de rádio locais

Por 

O Estado deve respeitar a livre iniciativa, mas pode mitigar, de forma razoável, esse princípio para aumentar a competitividade de um setor econômico perante seus concorrentes estrangeiros, gerar renda e empregos e promover a cultura nacional e o acesso a ela por parte dos cidadãos.

Ministro Dias Toffoli disse que Estado deve promover a cultura nacional
Fellipe Sampaio/STF

Com esse entendimento, o Plenário do Supremo Tribunal Federal, por 10 votos a 1, declarou, nesta quarta-feira (17/3), a constitucionalidade da obrigatoriedade de exibição de filmes nacionais nos cinemas e da transmissão de programas culturais, artísticos e jornalísticos locais em rádios. O ministro Marco Aurélio ficou vencido. A corte definirá as teses com repercussão geral na sessão desta quinta (18/3).

O STF negou dois recursos extraordinários. No RE 627.432, o Sindicato das Empresas Exibidoras Cinematográficas do Estado do Rio Grande do Sul alegou a inconstitucionalidade dos artigos 55 e 59 da Medida Provisória 2.228/2001, que fixou percentuais obrigatórios de exibição de filmes nacionais, a "cota de tela", e estabeleceu sanções administrativas para seu descumprimento. Já no RE 1.070.522, uma empresa sustentou que apenas lei, e não o Decreto 52.795/1963, poderia estabelecer tempo dedicado a programas culturais, artísticos e jornalísticos locais em rádios.

O relator do RE 627.432, ministro Dias Toffoli, afirmou que o mercado cinematográfico é dominado por poucos e grandes grupos empresariais, geralmente estrangeiros, que ditam o que vai e o que não vai entrar na programação dos cinemas, dificultando a veiculação de obras do mainstream.

Segundo Toffoli, a livre iniciativa, o livre mercado e o direito de propriedade devem observar a justiça social. E a "cota de tela" é uma medida que respeita esse princípio, aumentando a competitividade do setor audiovisual, promovendo a cultura nacional e gerando renda e empregos.

Nessa mesma linha, o presidente do STF, Luiz Fux, relator do 1.070.522, apontou que um dos principais objetivos do Brasil é a erradicação de desigualdades sociais e regionais. E a reserva de programação em rádios para programas culturais, artísticos e jornalísticos locais ajuda a concretizar esse intuito.

Fux também ressaltou que o artigo 221 da Constituição estabelece que a programação das emissoras de rádio deve dar preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas; à promoção da cultura nacional e regional e à regionalização da produção cultural, artística e jornalística.

Voto vencido
O ministro Marco Aurélio ficou vencido nos dois casos. No RE 627.432, o decano da corte questionou por que a reserva de conteúdo nacional só se destina a filmes, mas não a peças de teatro ou livros.

E no RE 1.070.522, o ministro afirmou que somente lei, e não decreto, pode estabelecer tempo dedicado a programas culturais, artísticos e jornalísticos locais em rádios.

Clique aqui para ler o voto de Toffoli no RE 627.423
Clique aqui para ler o voto de Fux no RE 1.070.522
RE 627.423 e 1.070.522




Topo da página

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 17 de março de 2021, 19h28

Comentários de leitores

1 comentário

STF valida reserva para filmes nacionais e programas de rádi

Ralpdesouzafilho - PUC - RIO (Jornalista)

A sua, a minha e a nossa face é o cinema, o rádio, no espectro das ondas eletro magnéticas a todos pertencentes e como a televisão uma concessão do estado opção delegada e a título precário. Os jornais são uma atividade acessível via a grana privada e nesse sentido ao lê - los imponha - se àquele que o faça a compreensão absolutamente fundada na semiologia da epistemologia a evitar a armadilha da falsa hermenêutica a gerar a distorção onde a versão superará o fato e será publicada a eximir o facínora...

Comentários encerrados em 25/03/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.