Consultor Jurídico

Não foi suficiente

Segundo TJ-PB, mero desconforto não é capaz de gerar danos morais

A mera cobrança indevida de valores, por si só, não é capaz de provocar a necessidade de reparação por danos morais. Foi assim que decidiu a 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba na análise do caso de uma consumidora que se queixou de cobranças improcedentes de contas de água.

Cobranças indevidas não geram automaticamente danos morais.
Dollar Photo Club

Na ação, a autora alegou que foi surpreendida com a cobrança indevida de um débito no valor de R$ 3.478,72, em razão de supostos atrasos nos pagamentos, mesmo sendo isenta das tarifas de água. Ela contou que teve ameaçado o fornecimento de água em sua residência, o que lhe causou transtornos, motivo pelo qual pediu indenização por danos morais, sem sucesso.

"No caso, conquanto tenha restado incontroverso nos autos que houve cobrança indevida na fatura da autora, não houve a suspensão do fornecimento de água, ou ainda qualquer notícia de negativação do nome do consumidor. Além disso, a autarquia municipal reconheceu o equívoco no processamento de dados na emissão da fatura, emitindo uma nova fatura com valor zerado", destacou o relator do processo, o desembargador Marcos Cavalcanti de Albuquerque.

De acordo com o relator, para que surja o dever de indenizar é imprescindível a existência de provas dos prejuízos sofridos em razão da cobrança indevida. Para gerar reparação civil deve ocorrer, comprovadamente, constrangimento ou humilhação.

Tanto a doutrina quanto a jurisprudência entendem que o mero desconforto ou dissabor não se caracterizam como prova de que o ofendido sofreu perturbação psíquica, argumentou o desembargador Marcos Cavalcanti ao negar provimento ao recurso. Com informações da assessoria do TJ-PB.

0804224-49.2016.8.15.0371




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 30 de maio de 2021, 14h43

Comentários de leitores

1 comentário

Pimenta nos olhos dos outros...

JAFN (Advogado Autônomo)

Queria saber se fosse o consumidor, no caso, o Desembargador do TJ/Paraíba, se na mesma situação seria mero dissabor ou dano moral a insistência na cobrança indevida da conta de água e a imensa perda de tempo diária do consumidor para informar que nada devia.
Os julgadores devem banir o mero dissabor, pois nem definição para isso há.

Comentários encerrados em 07/06/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.