Consultor Jurídico

Julgamento de Julgamentos

CNJ anula censura que TJ-SP havia determinado a juiz garantista

O Conselho Nacional de Justiça, em julgamento de revisão disciplinar ocorrido nesta terça-feira (23/2), decidiu anular a condenação à pena de censura que o Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo havia determinado ao juiz Roberto Luiz Corcioli Filho — por supostamente proferir decisões "com viés ideológico" e por "soltar muito". 

TJ-SP havia imposto censura ao juiz Roberto Luiz Corcioli Filho 
Reprodução/Youtube

Por 12 votos a dois, o CNJ entendeu que as decisões do magistrado, ainda que alvo de divergência doutrinária e jurisprudencial, eram de cunho jurisdicional e estavam todas devida e detalhadamente fundamentadas, não havendo qualquer indício de que o juiz teria atuado em benefício de uma parte.

O CNJ, mais uma vez, afirmou a prerrogativa funcional de independência judicial, resguardando de interferências externas o livre convencimento do juiz.

A decisão anulada havia entendido que as decisões do magistrado tinham viés ideológico "curiosamente vinculadas à ideia de garantismo" e que tal viés teria trazido insegurança para a população do município de Itapevi, onde Corcioli Filho atuava.

Os advogados do magistrado — Igor Sant’Anna Tamasauskas, Débora Cunha Rodrigues e Luísa Weichert — levaram o caso para o CNJ porque o magistrado fora punido exclusivamente por aplicar posições jurídicas minoritárias no Tribunal, ainda que respaldadas por jurisprudência do STF, o que se confirmou com o julgamento desta terça-feira.

0004729-35.2019.2.00.0000 (CNJ)
Processo disciplinar 95.822/2016 (TJ-SP)




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 23 de fevereiro de 2021, 17h42

Comentários de leitores

3 comentários

Viés ideológico

Daniel Vasconcelos (Funcionário público)

Excelente ter um juiz que cumpre a lei sem se intimidar com a visão ortodoxa de seus pares.

A coragem de ser livre

Joro (Advogado Autônomo)

Cumprimentos ao nobre Juiz que faz justiça sem medo dos ganidos dos inseguros e dos Torquemadas.
Tomás Antônio Gonzaga, o inconfidente, que era juiz, poeta e iluminista, o precedeu: “sempre absolvi sorrindo e condenei chorando”.
Já a mediocridade judiciária, sem coragem e por medo das turbas, pratica o contrário...
Parabéns ao Juiz que honra a toga que enverga.

Antes tarde do que nunca!

Pedro Giberti (Advogado Sócio de Escritório - Consumidor)

Mais do que um precedente, a decisão do CNJ é um paradigma de respeito à independência dos Magistrados, que não pode ser arranhada.
Parabéns ao Juiz Corcioli, que perseverou na busca da reparação da injustiça sofrida com uma punição manifestamente descabida.

Comentários encerrados em 03/03/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.