Consultor Jurídico

Ponte com o Tribunal

Ministro Sérgio Kukina é empossado como novo ouvidor do STJ

Ministro Sérgio Kukina, novo
ouvidor do STJ, sucede no cargo
a ministra Assusete Magalhães
Emerson Leal

O ministro Sérgio Kukina tomou posse nesta sexta-feira (20/11) como ouvidor do Superior Tribunal de Justiça (STJ), cargo que exercerá pelos próximos 12 meses. Ao empossar o novo ouvidor, o presidente da corte, ministro Humberto Martins, destacou sua qualificação técnica e disse que "a Ouvidoria estará em boas mãos". Segundo ele, "o ministro Sérgio Kukina tem um notável espírito dinâmico e uma atuação impecável e invejável na corte".

Humberto Martins também elogiou o trabalho feito pela ministra Assusete Magalhães, que deixa o cargo de ouvidora após uma série de importantes realizações, como as parcerias com as ouvidorias do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

O novo ouvidor prometeu conduzir o órgão com base no diálogo e declarou que pretende dar continuidade às parcerias, buscando a troca de experiências com ouvidorias de outros órgãos do Judiciário.

"Vamos imprimir os melhores esforços para que a Ouvidoria do STJ seja uma ponte de ouro entre a comunidade e o tribunal", afirmou Kukina. Ele comentou que são inúmeros os desafios a serem enfrentados nessa tarefa. O presidente do STJ disse conhecer de perto tais desafios, já que teve a oportunidade de exercer o cargo de ouvidor entre 2013 e 2014.

Por videoconferência, participaram da cerimônia de posse a ministra Maria Thereza de Assis Moura e os ministros Herman Benjamin, Benedito Gonçalves, Marco Buzzi, Moura Ribeiro e Gurgel de Faria.

Perfil
Sérgio Kukina, natural de Curitiba, é ministro do STJ desde fevereiro de 2013. Faz parte da 1ª Seção e da Primeira Turma do tribunal. Mestre em direito pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná, foi professor em diversas instituições de ensino superior, incluindo a Universidade Federal do Paraná e a Escola Superior de Advocacia da OAB-PR.

Antes do STJ, atuou como promotor de Justiça nas comarcas paranaenses de Francisco Beltrão, Dois Vizinhos, Faxinal, Pitanga, Guarapuava, Foz do Iguaçu e Curitiba. Posteriormente, foi promovido a procurador de Justiça e chefiou a Coordenadoria de Recursos Cíveis do Ministério Público do Paraná. Com informações da assessoria de imprensa do Superior Tribunal de Justiça.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 21 de novembro de 2020, 15h43

Comentários de leitores

0 comentários

Ver todos comentáriosComentar