Consultor Jurídico

Notícias

Perigo evidente

Igreja de Silas Malafaia é proibida de fazer cultos em Santa Catarina

Por 

A Igreja Evangélica Assembleia de Deus Vitória em Cristo, comandada pelo pastor Silas Malafaia, está proibida de fazer cultos ou reuniões por 30 dias no estado de Santa Catarina.  A ordem é do juiz Jefferson Zanini, 2ª Vara da Fazenda Pública de Florianópolis.

Pastor Silas Malafaia já disse que sua
igreja continuará fazendo cultos Divulgação

Na decisão, o juiz diz que, diante da pandemia do novo coronavírus, o direito à dignidade da pessoa humana deve prevalecer sobre os direitos à liberdade de reunião e de crença religiosa.

"Essa medida atende ao requisito da proporcionalidade em sentido estrito, pois os ganhos advindos com a preservação da saúde pública superam as eventuais perdas derivadas da restrição à realização de cultos religiosos, mormente diante da transitoriedade da medida restritiva", afirmou.

O juiz afastou ainda a existência de qualquer ilegalidade no decreto estadual que, entre outras coisas, proíbe por 30 dias eventos no estado, independentemente da quantidade de pessoas.

"Não bastasse, verifica-se que as medidas restritivas também atendem ao princípio da necessidade, porquanto não excedem os limites indispensáveis para a conservação da saúde. Efetivamente, não se vislumbram outras alternativas possíveis e diversas daquela de suspensão de reuniões e cultos religiosos para a diminuição do número de contágios pela Covid-19", afirmou o juiz.

Em relação ao perigo da demora, requisito necessário para a concessão de liminar, o juiz afirmou que ele está evidente pois o líder religioso da igreja, o pastor Silas Malafaia, afirmou que, a despeito das recomendações do Ministério da Saúde para evitar aglomerações de pessoas, iria continuar promovendo os cultos.

A multa, em caso de descumprimento, é diária de R$ 20 mil por estabelecimento. A decisão liminar atende pedido da Associação dos Médicos e Empresas Prestadoras de Serviços Médicos do Sul do Brasil (Assulmed).

Clique aqui para ler a decisão
5026669-92.2020.8.24.0023/SC

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 20 de março de 2020, 22h12

Comentários de leitores

2 comentários

Soberania Soberana

Dhaizy Mendanha (Estudante de Direito)

No que tange à soberania é válido ressaltar sua cisão entre suas funções originária e derivada, entretanto encontra ressonância no que diz respeito não aos valores "Democráticos ou bem estar social " mas, SIM uma violação clara do artigo 5° da nossa carta magna nos incisos V e VI e VIII. Nesse estágio, a principal premissa que deve ser estanques é o direito que o Líder Religioso tem de gozar do que lhe é permitido e garantido por lei, sendo respeitada sua crença ideológica, porém o que é ressaltado é sua proximidade com o "Divino ou Jeová ". Haja vista, que é mais relevante debater sobre o prisma da religiosidade do que de fato o que está sendo ferido, o direito das pessoas em cultuarem. É muito preconceito com heteroneização, disfarçado de uma Democracia velada, e um senso constitucionalista fraco, que precisa ser analisado sob um aspecto mais humanístico respeitosamente e condizente a vontade de cada cidadão brasileiro, sobretudo num momento tão caótico e delicado, onde cada um se apoia no que melhor lhe assegura, se há princípios legais e constitucionais para tal ação, por que não.

Responder

Restrição constitucional

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Entre dois valores caros à Democracia, o bem estar da sociedade e o exercício do direito de culto, deve prevalecer o primeiro, quando a conduta dos religiosos coloca em risco a própria sobrevivência do rebanho que idolatra alguém que se diz próximo de Jeová.

Responder

Comentários encerrados em 28/03/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.