Consultor Jurídico

ADI no Supremo

PGR questiona indenização de transporte a membros do Ministério Público do Rio

O procurador-geral da República, Augusto Aras, ajuizou no Supremo Tribunal Federal uma ação direta de inconstitucionalidade, com pedido de medida liminar, contra normas que disciplinam o pagamento de parcela denominada indenização de transporte a membros do Ministério Público do Rio de Janeiro. O relator da ação é o ministro Marco Aurélio.

MP-RJ

Segundo o PGR, a Lei Complementar estadual 106/2003 (Lei Orgânica do MP-RJ) previu a possibilidade de instituição da indenização de transporte. A Resolução 9/2006 do Conselho Nacional do Ministério Público, ao elencar as parcelas que podem ser validamente acumuladas com o subsídio, incluiu nesse rol verba destinada ao custeio do transporte dos membros do MP. Já a Resolução 1886/2013 da Procuradoria-Geral de Justiça do Rio de Janeiro disciplinou o benefício no estado, que pode chegar a R$ 1.010 por mês.

Aras afirma que é possível interpretar a indenização de transporte como a compensação financeira por convocações específicas da administração superior, como mutirões, cursos de aprimoramento na sede da capital e participação extraordinária em grupo de trabalho, o que justifica o benefício.

"Todavia, as mesmas normas podem ser interpretadas como um permissivo para que promotores e procuradores venham a ser compensados financeiramente pelo deslocamento diário, usual, rotineiro, que tem como destino o próprio órgão de lotação", pondera.

De acordo com Aras, a Constituição proíbe acréscimo de gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de representação e outras espécies remuneratórias à parcela única do subsídio de servidor público. Ele requer que seja suspensa a interpretação das normas questionadas que permita ao MP-RJ o pagamento da indenização de transporte baseada no deslocamento habitual de seus membros. Com informações da assessoria de imprensa do STF.

ADI 6.459




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 18 de junho de 2020, 19h28

Comentários de leitores

1 comentário

Voltei, mas o país é o mesmo

MACACO & PAPAGAIO (Outros)

Alguém duvida o que o nosso país precisa? Sim, de "normas que podem ser interpretadas como um permissivo para que promotores e procuradores venham a ser compensados financeiramente pelo deslocamento diário, usual, rotineiro, que tem como destino o próprio órgão de lotação". Mais 1 mil reais e uns quebrados para os pobres representantes do MINISTÉRIO PÚBLICO que já ganham isso por dia, ou seja, AGORA, 31 mil por mês, enquanto que a maioria esmagadora da população "nada" em dinheiro. No fundo, a maioria é só mais uma classe de bacharéis oportunistas que, antes de tudo, representam pelos seus próprios e confortáveis interesses !

Comentários encerrados em 26/06/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.