Consultor Jurídico

Anos de chumbo

Tombamento da "Casa da Morte", usada para tortura no regime militar, é anulado

O tombamento da chamada "Casa da Morte", em Petrópolis (RJ), foi anulado pelo Tribunal de Justiça do estado. A edificação foi usada durante a ditadura militar como um centro de tortura e execução. A decisão é da 20ª Câmara Cível do tribunal, em sede de mandado de segurança.

Coronel Paulo Malhães admitiu que houve tortura e execuções na "Casa da Morte"
Comissão Nacional da Verdade

À Comissão Nacional da Verdade, o Coronel Paulo Malhães, ex-agente do Centro de Informações do Exército, admitiu que no imóvel que se quer tombar houve tortura, mortes, ocultações de cadáveres e mutilações de corpos visando impedir a identificação das vítimas.

Os impetrantes da ação são os proprietários do imóvel, que defenderam a ilegalidade do tombamento, realizado pela prefeitura da cidade.

Segundo eles, a resolução deliberativa do Conselho Municipal de Tombamento Histórico Cultura e Artístico (CMTHCA) que definiu o tombamento não se deu por maioria absoluta de votos, o que violaria uma lei municipal (artigo 15 da Lei  4.182/83).

O voto da relatora, desembargadora Maria da Glória Oliveira Bandeira de Mello, concluiu que, no caso, "não foi observada a maioria absoluta, a qual demandava 5 votos a favor do tombamento, uma vez que o número de cargos ocupados na ocasião era de 9". O tombamento havia sido definido por quatro votos contra três.

A decisão do TJ-RJ se deu por maioria, nos termos do voto de Bandeira de Mello. Ficou vencida a desembargadora Mônica Sardas.

Clique aqui para ler a decisão
MS 0016143-98.2019.8.19.0000

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 30 de janeiro de 2020, 11h47

Comentários de leitores

1 comentário

Lembranças do passado

will melo (Administrador)

A memória dos bons e maus momentos da história precisam ser preservados até como ensinamento para as próximas gerações. Interesses pessoais não devem sobrepor os da sociedade, mas devem ser devidamente indenizados.

Comentários encerrados em 07/02/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.