Consultor Jurídico

Notícias

Tribunal do Júri

Jurados ficarão isolados em "caixa de vidro" em fórum de Campo Grande

Por 

Jurados de casos levados ao Tribunal do Júri no fórum de Campo Grande (MS) passarão a acompanhar as sessões separados por uma sala de vidro. A medida teria como objetivo garantir a segurança do Conselho de Sentença e evitar que seus membros sejam influenciados. 

Jurados ficarão separados por sala de vidro
Divulgação

A “caixa de vidro” começou a ser criada a partir de solicitações de melhorias feitas por juízes da 1ª e 2ª Vara do Tribunal do Júri. A mudança também atende a sugestões do próprio corpo de jurados. Segundo o jornal Campo Grande News, a estrutura da sala já foi fixada, restando agora somente o jateamento de vidro.

O isolamento dos jurados estaria em consonância com a Recomendação 55/2019 do CNJ, que afirma que “garantir a segurança necessária a todos aqueles que venham a compor o Conselho de Sentença” é um dever do Poder Judiciário. 

Para Mansour Karmouche, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil do Mato Grosso do Sul, “a medida pode ser positiva desde que não viole direitos e garantias do acusado. O Conselho de Sentença, lógico, deve ter uma segurança, mas ele não pode ficar totalmente isolado".

Ainda de acordo com ele, separar os jurados pode acabar "desconfigurando a iniciativa do próprio Tribunal do Júri". "A OAB  vai acompanhar. Até o momento não tivemos nenhum tipo de reclamação, mas vamos aguardar o que a defensoria e os advogados criminalistas que atuam no júri vão falar”, diz. 

O advogado José Belga Trad tem uma opinião parecida. Segundo ele, "o Tribunal do Júri é essencialmente oral e isso vai criar uma barreira entre o orador e os jurados, o que pode comprometer a justa solução dos casos concretos submetidos à apreciação do Conselho de Sentença". 

Por isso, Trad diz considerar a medida “desnecessária”, uma vez que “já há detector de metal na entrada das salas de julgamento e as sessões são acompanhadas por membros da força de segurança do Estado”.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 25 de novembro de 2019, 16h55

Comentários de leitores

1 comentário

Estranho

O IDEÓLOGO (Outros)

A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 5, inciso XXXVIII, letra "d", estabeleceu a competência mínima do Tribunal do Júri para julgar os crimes dolosos contra a vida, na forma tentada ou consumada, quais sejam:
a) homicídio;
b) induzimento, instigação ou auxílio ao suicídio;
c) infanticídio; e
d) aborto.
A OAB, uma corporação de profissionais jurídicos, que tem por obrigação legal defender as leis, faz, justamente o contrário, preocupa-se com a situação dos incompetentes, irracionais, indolentes e abjetos rebeldes primitivos. Ou seja: desloca o centro de interesse da lei para o réu, aquele que abalou o precário equilíbrio social.
O Tribunal de Júri não tem por objeto a defesa do réu, mas julgar aqueles que praticaram crimes contra a vida.
Cada vez mais, a OAB afoga-se no mar de incongruências criado pelo seu presidente o Felipe de Santa Cruz Oliveira Scaletsky , que vive enrolado (https://www.jornaldacidadeonline.com.br/noticias/13334/pegaram-o-felipe-santa-cruz-o-moco-da-oab-e-o-contrato-milionario-com-a-petrobras).

Comentários encerrados em 03/12/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.