Consultor Jurídico

Artigos

Opinião

A importância do compliance e programa de integridade na atualidade

Por 

Nos últimos tempos, é notório que o compliance tem ganhado mais espaço nas empresas, principalmente, mas não somente, aquelas que possuem relações com a administração pública.

Percebemos atualmente que a empresa ter compliance e um programa de integridade, em algumas situações, tem sido obrigatório, e não mais facultativo, como, por exemplo, para contratar com o Distrito Federal e estado do Rio de Janeiro.

O termo compliance é derivado do verbo inglês "to comply", que significa cumprir e agir com ética e em conformidade com as normas internas e externas, seguindo as regras vigentes. O compliance corporativo é a adoção de procedimentos pela companhia com a finalidade de garantir o cumprimento da legislação vigente e de regras internas, mediante orientação, prevenção e tratamento dos desvios de condutas ou práticas ilegais.

Já o programa de integridade, conforme entendimento da Controladoria-Geral da União, é o conjunto de medidas e ações periódicas adotadas pela companhia visando prevenir, detectar, punir e remediar atos de corrupção, fraudes e atos ilícitos ou antiéticos[1].

Ainda, o compliance tem a função de monitorar e assegurar que todos os envolvidos com uma empresa estejam de acordo com as práticas de conduta da mesma. Essas práticas devem ser orientadas pelo código de conduta e pelas políticas e manuais.

Vários são os benefícios de ter um programa de compliance e de Integridade, vejamos alguns deles:

  • elimina ou, quando menos, reduz significativamente a possibilidade de cometimento de atos ilícitos;
  • comprova a boa-fé da empresa e de seus colaboradores, reduzindo penalidades previstas na legislação, como lei anticorrupção, lei de defesa da concorrência (Cade) e outras;
  • vantagem competitiva perante clientes, bancos e fornecedores;
  • garante a continuidade do negócio (por exemplo, proibição de contratar com o poder público), a geração de renda e de empregos e o bem-estar social;
  • obrigatoriedade para contratações públicas: estado do RJ e DF;
  • melhora a imagem da empresa.

Importante expor que, para um programa de compliance e integridade ser efetivo, ele deve refletir o DNA da empresa e abranger todas as áreas do Direito, entre elas: Lei Anticorrupção (Lei 12.846/13 e respectivo Decreto 8.420/2015), Lei de Defesa da Concorrência (Lei 12.529/11), Lei de Licitações (Lei 8.666/93), Lei de Improbidade Administrativa (Lei 8.429/92), legislação trabalhista, legislação penal, legislação cível e legislação tributária, entre outras.

Etapa importante do trabalho preliminar é fazer um risk assessment, em que são analisados todos os riscos sensíveis e mapeadas as medidas de remediação dos riscos da empresa.

Nos tempos atuais, diante do cenário político e punitivo que estamos vivendo no Brasil, com a aplicação cada vez maior pelas autoridades de penas fundamentadas na responsabilidade objetiva, teorias da cegueira deliberada (willful blindness) e do domínio do fato, é imprescindível que os empresários contem com robustos programas de compliance a fim de reduzir cometimento de eventuais ilícitos, bem como comprovar a sua boa-fé.


 é sócia do Celso Cordeiro & Marco Aurélio de Carvalho Advogados, pós-graduada em Direito Econômico pela Faculdade de Direito de Ribeirão Preto (USP) e em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários (Ibet) e pós-graduanda em Compliance e Integridade Corporativa pela PUC Minas.

Revista Consultor Jurídico, 23 de março de 2019, 7h33

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 31/03/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.