Consultor Jurídico

Entrevistas

Papel dos juízes

Poder Judiciário deve ser contramajoritário, não seguir vozes das ruas

Por 

O Poder Judiciário deve ser contramajoritário e não pode agir de acordo com vozes das ruas. Caso contrário, existe a chance do direitos constitucionais serem feridos. A opinião é de Kenarik Boujikian, desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Kenarik foi categórica ao dizer que os três poderes estão em dívida com a população brasileira, principalmente na defesa dos vulneráveis. Ao falar do sistema prisional, ela concorda que "prende-se muito e mal" no país e critica o poder estatal que é, segundo ela, "um nicho que produz grandes violações de direitos humanos".

Durante entrevista ao programa Jusbrasil Entrevista, parceria da ConJur com o site Jusbrasil, a magistrada relembra o início de sua carreira, o processo administrativo movido contra si e frisa a importância de combater discursos de ódio.

Com quase 30 anos de carreira, Kenarik anunciou aposentadoria em março deste ano. Nascida na Síria e neta de sobreviventes do Genocídio Armênio, a magistrada é especialista em Direitos Humanos pela Escola Superior da Procuradoria Geral de São Paulo. Foi presidente da Associação dos Juízes pela Democracia (AJD), tendo iniciado a carreira como advogada da Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap) e procuradora do Estado. 

Veja a entrevista completa abaixo:

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 3 de julho de 2019, 18h47

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 11/07/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.