Consultor Jurídico

Notícias

Atualização de valores

Justiça autoriza correção de PIS/Pasep de contas ativas de 71 a 88

Por 

Por entender que houve lesão patrimonial em decorrência da má-gestão dos valores depositados, a 2ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal reconheceu o direito de um cidadão de receber, com correção monetária, os recursos depositados pelo governo federal durante a vigência do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público, o atual PIS/Pasep.

Com a correção, o autor da ação, que havia recebido cerca de R$ 2 mil, passou a ter direito a pouco mais de R$ 105 mil. O processo transitou em julgado em julho deste ano e está em fase de execução de sentença, já com os valores depositados judicialmente. Várias ações semelhantes também haviam pleiteado o reajuste, mas foi a primeira vez que houve ganho de causa.

“Após o êxito no primeiro processo, alguns outros precedentes do TJ-DF já estão confirmando o direito à atualização monetária dos valores do PIS/Pasep, mas é preciso ficar atento ao prazo prescricional, que é de cinco anos, especialmente agora, que o governo novamente liberou o saque dos recursos”, disse o advogado do autor da ação, Lucas Azoubel. Ele atuou no caso junto com seu sócio, o advogado Fábio Bragança.

O PIS e o Pasep foram criados em 1970 com objetivo de financiar o pagamento do seguro-desemprego, abono e participação na receita dos órgãos e entidades para os trabalhadores públicos e privados. Até 1988, quando o programa foi extinto, os empregadores da iniciativa privada depositavam os recursos em uma conta vinculada ao trabalhador (PIS) na Caixa Econômica Federal e a União depositava o benefício (Pasep) no Banco do Brasil, também em conta vinculada ao trabalhador.

“Ocorre que esses depósitos receberam quase nenhuma atualização monetária ao longo dos anos em que ficaram retidos nas contas de cada beneficiário e a Justiça reconheceu que é obrigação do banco fazer a adequada gestão do dinheiro administrado por ele. Com isso, concedeu a diferença nas atualizações monetárias devidas, que foram calculadas por uma perícia contábil”, explicou Bragança.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 24 de agosto de 2019, 16h45

Comentários de leitores

3 comentários

Dúvida sobre prazo prescricional

Silvério_lima (Funcionário público)

E quem já sacou o PIS/PASEP, tem direito a pleitear essa correção? O prazo prescricional começa no momento do saque?

Agora é preciso fazer o mesmo com o INSS

Abalen (Engenheiro)

Paguei ao longo de 20 anos o INSS sobre 20 salários, o que corresponde a 40 anos contribuindo sobre 10 salários, e tudo virou pó uma vez que o INSS simplesmente passou a régua em todas as contribuições até 2004 e com isso hoje estou aposentado com apenas 1 salário mínimo. Já que é para fazer justiça, quem pagou tanto até 2004 deveria também levar esse período em consideração na hora de se aposentar... Agora que o INSS vai ter bilhões em diminuição de despesas com a reforma da previdência não pode dizer que não vai ter dinheiro... A justiça não pode ser tão cega a ponto de sacrificar tanto quem pagou muitíssimo e ficou a ver navios...

Boa notícia, mas...

kalemos (Bancário)

E quem já sacou o PIS/PASEP, tem direito a pleitear essa correção? O prazo prescricional começa no momento do saque?

Comentários encerrados em 01/09/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.