Consultor Jurídico

Notícias

PEC 6/2019

Gilmar Mendes nega liminares para suspender reforma da Previdência

Por 

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, negou três pedidos feitos por parlamentares para suspender o debate da reforma da Previdência.

Nelson Jr. / SCO STFGilmar Mendes negou três pedidos para suspender o debate da reforma da Previdência

Nas decisões desta sexta-feira (26/4), o ministro entendeu que não foi comprovado nos autos, "de que forma a alteração do regime de repartição para o regime de capitalização implicaria a criação ou alteração de despesa obrigatória ou renúncia de receita".

Gilmar considerou também que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, salientou que, aprovada a proposição, a perspectiva é a diminuição de despesas.

Em decisão desta segunda-feira (22/4), o ministro já havia afirmado que a eventual apreciação da PEC pela CCJ não impede sua anulação posterior, sob fundamento de violação ao devido processo legislativo.

Comissão especial
Em um dos pedidos, os deputados federais Henrique Fontana Júnior, Jandira Feghali, Marcelo Freixo e Luiz Paulo Teixeira Ferreira criticaram também a determinação de Rodrigo Maia para que o mérito da reforma seja analisado por uma comissão especial.

Segundo os parlamentares, a proposta de emenda (PEC 6/2019), aboliria o direito fundamental à previdência social, além de sofrer de inconstitucionalidade material, “pois afrontaria a garantia fundamental da solidariedade atribuída pelo constituinte originário”.

Ao analisar o pedido, no entanto, o ministro afirmou que não vê na PEC "o condão de abolir direitos e garantias individuais". Além disso, o ministro considerou que a questão será debatida em casas legislativas por um longo tempo, "sendo passível de inúmeras emendas, debates e discussões, de modo que o deferimento prematuro da medida poderia configurar ingerência indevida do Poder Judiciário no âmbito do Poder Legislativo, hipótese nociva à separação de poderes".

Clique aqui, aqui e aqui para ler os mandados.
MS 36.438, 36.439 e 36.442

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 26 de abril de 2019, 20h06

Comentários de leitores

3 comentários

Só para ressaltar...

SMJ (Procurador Federal)

"Em decisão desta segunda-feira (22/4), o ministro já havia afirmado que a eventual apreciação da PEC pela CCJ não impede sua anulação posterior, sob fundamento de violação ao devido processo legislativo."

Gilmar ferreira mendes

O IDEÓLOGO (Outros)

Não adianta querer se aproximar de Bolsonaro. Ele quer distância de ti.

Correto o Ministro

Professor Edson (Professor)

Ainda bem que o ministro se mantém lúcido nessa questão, os que querem impugnar a reforma são inimigos públicos do país, é evidente que a reforma é necessária, não é hora de ideologias, bolsonaristas ou lulistas, não é o momento disso.

Comentários encerrados em 04/05/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.