Consultor Jurídico

Notícias

Imposto sobre imposto

ICMS não integra contribuição previdenciária sobre faturamento, define STJ

Por 

A 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça decidiu, nesta quarta-feira (10/4), que o ICMS não integra a base de cálculo da contribuição previdenciária. A decisão foi tomada em julgamento conjunto de três recursos especiais.

STJ segue entendimento do Supremo de que ICMS não é faturamento e não pode integrar base de cálculo de contribuição previdenciária sobre receita bruta

O julgamento havia sido iniciado no fim de março com o voto da relatora, ministra Regina Helena Costa, a favor da exclusão. Na sessão desta quarta, os ministros seguiram o voto da ministra. Para ela, o STJ deve seguir o que disse o Supremo Tribunal Federal sobre excluir o ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins: como o ICMS é um imposto pago pelo consumidor, mas recolhido pela empresa, não pode ser considerado faturamento (ou "receita bruta"), como quer a PGFN.

"As turmas do STJ já vinham se posicionando contrários à inclusão do ICMS no cálculo na contribuição previdenciária sobre receita bruta, principalmente em função da recente decisão da Suprema Corte", disse a ministra Regina Helena, quando votou. Segundo a relatora, o ICMS não deve ser considerado porque não é receita bruta, e não pode ser objeto da incidência do ICMS.

"A contribuição foi instituída por medida provisória em 2011 e convertida em lei no mesmo ano. Cumpre recordar, dada a esteira do que decidiu o STF, que a Suprema Corte assentou a inconstitucionalidade da inclusão do ICMS na base do PIS e da Cofins entendendo que o valor do ICMS não se incorpora ao valor do contribuinte, constituinte mero caixa, cujo destino final é o cofre público", observou a ministra.

Segundo a ministra, o regime da contribuição previdenciária, por um período, foi impositivo, e não facultativo. "Até 30 de novembro de 2015 não havia a facultatividade. E mesmo se fosse facultativo, não se poderia incluir um elemento estranho ao cálculo unicamente por considerar que o contribuinte estaria se aproveitando de um benefício fiscal."

REsp 1.624.297
REsp 1.629.001
REsp 1.638.772

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 10 de abril de 2019, 18h56

Comentários de leitores

1 comentário

Criminalização da inadimplência à vista

Jorge Haddad - Advogado tributarista (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Com essas decisões, de que o ICMS não integra o faturamento, os Tribunais Superiores estão abrindo caminho para criminalizar a inadimplência do ICMS, que será considerada apropriação indébita, como ocorre com a contribuição previdenciária retida do empregado pelo empregador.
É um verdadeiro Renascimento da Derrama, período de extorsão tributária que desencadeou a Inconfidência Mineira.

Comentários encerrados em 18/04/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.