Consultor Jurídico

Notícias

Prescrição revogada

TRT-15 concede indenização a filho de trabalhador morto em 1999

O prazo de prescrição para ações trabalhistas não corre em casos envolvendo menores de idade. Com esse entendimento, a 3ª Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas-SP) reconheceu o direito do herdeiro de um trabalhador morto em serviço em 1999 de receber indenização por danos morais de R$ 200 mil, além de pensão por danos materiais. 

A empresa de embalagens alegou que a ação ajuizada somente em 6 de outubro de 2014 estaria prescrita desde 2013, uma vez que o herdeiro, que nasceu em 23 de outubro de 1995, ao completar 16 anos em 2011, poderia ter ingressado em juízo por meio de representante legal.

O relator do acórdão, desembargador José Carlos Abile, negou a alegada prescrição bienal, e lembrou que, segundo o disposto no artigo 440 da CLT, "não corre o prazo prescricional contra menores de 18 anos", e que abrange "tanto a condição de trabalhador quanto a de herdeiro menor de trabalhador falecido".

Segundo o acórdão, "considerando que o herdeiro completou 18 anos apenas em 23 de outubro 2013, quando a prescrição para ele começou a fluir, e ajuizou a presente reclamação trabalhista em 6 de outubro de 2014 (dentro do prazo bienal)", não se pode falar em prescrição nuclear.

A empresa também tentou provar que o infortúnio ocorreu por culpa exclusiva do trabalhador, e por isso pediu que fosse afastada a teoria do risco criado e excluída a reparação civil. Para o colegiado, porém, "mesmo que se aplique a teoria subjetiva da reparação civil, não há como negar a responsabilidade da empregadora pela morte do empregado".

No caso, ficou comprovado que o trabalhador morreu  ao cair dentro de uma máquina denominada hidra pulper, onde era triturado o papelão bruto, transformando-o em uma pasta. Ainda que a reclamada tenha tentado atribuir culpa exclusiva ao trabalhador, "que teria se arvorado a realizar função estranha ao seu mister, o fato é que a prova testemunhal colhida no inquérito civil e no processo cível, bem como no laudo de criminalística não deixam dúvidas de que as funções atribuídas ao 'de cujus' o expunham a risco", afirmou o acórdão. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-15. 

Processo 0011127-55.2014.5.15.0048

Revista Consultor Jurídico, 6 de abril de 2019, 15h03

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 14/04/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.