Consultor Jurídico

Tipificação específica

Fachin suspende prisão, por condenação contrária à jurisprudência do STF

Quando determinada decisão de um tribunal superior vai contra a jurisprudência firmada no Supremo Tribunal Federal, cabe ordem de ofício pela corte suprema. Assim entendeu o ministro Luiz Edson Fachin ao conceder Habeas Corpus contra a execução provisória da pena imposta a um réu acusado de dispensa ilegal de licitação.

O réu foi condenado em primeiro grau a 7 anos e 6 meses de detenção, em regime inicial semiaberto. O Tribunal de Justiça de São Paulo reduziu a pena para 6 anos e 8 meses de prisão, mas determinou o início imediato do cumprimento da pena.

Fachin entendeu que “a apontada ilegalidade pode ser aferida de pronto”: o voto condutor no julgamento do TJ-SP considerou que a contratação sem licitação seria um crime de mera conduta, em que não se exige dolo específico. Esse entendimento contraria o posicionamento do Supremo sobre o tema, segundo o qual para a tipificação desse delito é exigida a demonstração de intenção específica de lesar o erário, não bastando a presença do dolo genérico.

O advogado chegou a impetrar pedido de HC no Superior Tribunal de Justiça. Diante da negativa do STJ, proferida pelo relator do caso, a defesa foi então ao STF. Embora a Súmula 691 impeça a admissão de HC contra decisão monocrática de tribunal superior, o ministro frisou que é possível conceder a ordem de ofício nesse caso.

Devido à excepcionalidade da medida, a ilegalidade deve ser reconhecível de plano, sem a necessidade de produção de qualquer prova ou colheita de informações.

Com esse fundamento, o ministro não conheceu do HC mas concedeu a ordem de ofício para determinar que seja suspensa a execução da pena privativa de liberdade, imposta ao réu pelo TJ de São Paulo, até que o STJ analise os recursos lá interpostos. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

HC 156.599

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 19 de maio de 2018, 7h05

Comentários de leitores

2 comentários

bom exemplo

Patricia Ribeiro Imóveis (Corretor de Imóveis)

está aí um bom exemplo do desacerto do STF ao relativizar o princípio da presunção de inocência... Como esse, haverá muito outros em que tribunais desrespeitam posições tranquilas do STF...
Como admitir o trânsito em julgado se é possível a absolvição plena no STF? Insustentável...

Parabéns Ministro!

toron (Advogado Sócio de Escritório)

Importantíssima a decisão do Ministro Fachin que, apesar dos óbices que dificultam a realização de justiça em sentido substantivo, dá a medida da grandeza do habeas para afastar ilegalidades. A decisão é um primor, apesar do desnecessário contorcionismo para conhecer da impetração. Parabéns também ao Prof. Juarez Cirino dos Santos, um primor de advogado, nosso mestre!
Toron

Comentários encerrados em 27/05/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.