Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Operadores do Direito

Advogados não confiam na Justiça, mas concordam com execução antecipada

Por 

A advocacia não confia muito na Justiça brasileira. Mas a maioria dos advogados do país concorda com a execução provisória da pena, nos termos da decisão do Supremo Tribunal Federal, que autorizou a prisão de condenados já depois da decisão de segunda instância. É o que mostra o Índice de Confiança dos Advogados na Justiça (Icaj).

Segundo o levantamento feito pela internet com 644 advogados de todo o país, 54,9% dos entrevistados concordaram de alguma maneira com a decisão do Supremo. E 45,1% foram contrários à decisão. O apoio ao posicionamento do STF, no entanto, varia de acordo com a área de atuação dos advogados. Consumeristas costumam ser a favor; criminalistas e eleitoralistas, contra.

Mas, numa escala de 0 a 100 quanto à confiança no Poder Judiciário, a nota segue baixa. Para 2017, os advogados deram 31,7 para a Justiça. O Icaj é feito desde 2010 e a nota mais alta já dada ao Judiciário foi 32,7.

Os advogados responderam ainda a outras questões, como a influência da pressão popular na atuação dos tribunais. Nesse ponto, 53,5% afirmaram que os tribunais estão cedendo a esse apelo; 37,1% discordaram; e 9,5% não concordaram nem discordaram.

A pesquisa afirmou que têm aparecido na mídia diversos tipos de escândalos envolvendo profissionais do Direito. Para a maioria dos pesquisados (86,6%), isso não resultou numa percepção negativa da população em relação a integridade ética dos advogados.

Baixa confiança
A pesquisa foi criada pela Fundação para Pesquisa e Desenvolvimento da Administração, Contabilidade e Economia (Fundace), e é coordenada pelos professores Cláudio de Souza Miranda e Marco Aurélio Gumieri Valério, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (Fearp) da USP.

O índice é composto por sete indicadores que avaliam a percepção dos advogados sobre: eficiência, honestidade, morosidade, facilidade de acesso, custo para a solução de litígios, falta de igualdade no tratamento das partes e perspectiva de futuro da Justiça.

Como nas edições anteriores, a celeridade continua sendo o indicador pior avaliado, ainda que tenha apresentado uma leve melhora. Nesse quesito, a nota foi 13,9, o melhor desde que a pesquisa começou a ser feita. Já o acesso à Justiça é o item mais bem avaliado: 45,9.

Clique aqui para ler a íntegra da pesquisa.

Copy: confiança na justiça
Infogram

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 5 de junho de 2018, 14h18

Comentários de leitores

3 comentários

Realidade dos Advogados

Antonio Carlos Rodrigues Milardi (Advogado da União)

Essa pesquisa mostra também o nível dos advogados brasileiros.... Burros, não conseguem interpretar uma norma tão direta que exige o trânsito em julgado. Quer que não seja assim, mude a Constituição ora...
Isso tudo por uma cartada política, onde a ideologia vale mais que a tecnicidade.... burrice mesmo!

Não confiam ...

Geraldo Camargo (Serventuário)

Dizem que não confiam na Justiça, mas lutam com "unhas e dentes" para manter o retrógrado Quinto Constitucional, para acesso ao Judiciário, sem concurso. Pode?

resultado (in)útil

Luiz de Castilhos (Advogado Associado a Escritório)

O único resultado útil desta pesquisa: Manipulação da informação beira ao ridículo.
“A advocacia não confia muito na Justiça brasileira. Mas a maioria dos advogados do país concorda com a execução provisória da pena”. Mas a pesquisa foi realizada com apenas 644 advogados.

Comentários encerrados em 13/06/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.