Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Opinião

É necessário incluir os problemas do Judiciário no debate eleitoral

Por 

A crise do Estado brasileiro está sendo debatida no processo eleitoral, com foco no Executivo e Legislativo. O Judiciário, um dos poderes do Estado, também faz parte do problema e contribui para o atraso nacional. É urgente a necessidade de aprimoramentos nosso sistema judicial. Os problemas do Judiciário não podem ficar de fora do debate eleitoral.

O Judiciário brasileiro é composto de quatro instâncias de julgamento (juízo local, tribunal federal ou estadual, tribunal superior e Supremo) e dividido em Justiças (Federal, estadual, trabalhista, Eleitoral e Militar). Carrega um disparatado estoque de 100 milhões de processos, gerando lentidão e ineficiência. Uma máquina pesada e dispendiosa.

A Constituição de 1988 criou o Superior Tribunal de Justiça com o objetivo principal de julgar 70% dos processos do Supremo Tribunal Federal, permitindo que esta corte funcionasse efetivamente como corte constitucional, resolvendo rapidamente as grandes questões nacionais, sua natural função.

Não deu certo. A sobrecarga de processos no Supremo aumentou assustadoramente, por conta da amplitude normativa da Constituição, crescimento populacional, concentração urbana e, especialmente, por conta da exagerada competência judicial da nossa corte suprema (corte constitucional, recursal e instrutória).

O Supremo está perdido frente ao espantoso estoque de quase 120 mil processos, destoando risivelmente das supremas cortes do planeta. O volume de processos exige milhares de decisões provisórias de cada um dos 11 ministros, gerando muitas contradições, insegurança e mais descrença para a instituição, que deveria ser um símbolo da Justiça.

O STJ também está afogado em milhares de processos, participando da lentidão geral do sistema. O mais grave é que o STJ, em terceiro julgamento, não resolve definitivamente os processos que passam pelos seus computadores, pois os casos subjetivos que envolvem questões constitucionais podem ser levados para um quarto julgamento no Supremo.

Com a Constituição de 1988, o nosso sistema judicial, que funcionava em três instâncias de julgamentos, passou para quatro. O que era para ser solução burocratizou mais o Judiciário e trava o crescimento do país. Processos demoram mais de 10 anos para serem concluídos, lentidão inaceitável nos tempos modernos. Defeito estrutural grave.

O Brasil é um dos raros países que mantêm um Judiciário com quatro instâncias de julgamento e dezenas de recursos. A extrema verticalidade da máquina judicial permite protelações tortuosas, inaceitável demora na formação de jurisprudência, insegurança jurídica destruidora, descompasso com a modernidade e muita injustiça.

É hora de debater a redução da competência do Supremo para corte constitucional, para julgar somente questões nacionais objetivas, encaminhadas por ações diretas. Os milhões de processos subjetivos devem ser resolvidos definitivamente pelo STJ, terceira instância, aplicando todo o Direito nacional, da norma mais simples até a Constituição.

É importante deixar bem destacado que esse não é o único problema do Judiciário, mas apenas o mais grave, o problema estrutural que espraia ineficiência para o sistema judicial e sobrecarrega a sociedade brasileira com burocracias repetitivas e exageradas. É necessário começar urgentemente um processo de desjudicialização da vida nacional.

No processo eleitoral, por exemplo, deve ser debatido também a fundamental questão do início do cumprimento da pena, se a partir do julgamento da segunda instância, ou se após o julgamento final da última instância e bem como a limitação dos poderes dos ministros do Supremo para decisões monocráticas, além de outras disfunções danosas.

Juristas, jornalistas e estudiosos do sistema judicial têm obrigação histórica de encaminhar o debate dessas questões no processo eleitoral. O Brasil precisa enfrentar seus problemas estruturais e isso passa por reformas urgentes no Poder Judiciário.

 é juiz federal no Paraná e ex-professor do Departamento de Direito Privado e Processual da Universidade Estadual de Maringá (PR).

Revista Consultor Jurídico, 31 de julho de 2018, 6h19

Comentários de leitores

2 comentários

então...

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Será que o Judiciário quer debater os problemas Judiciário?

Concordo com o Dr. José Jácomo Gimenes

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Ninguém fala nada. Além dos pontos abordados no excelente artigo, creio que é fundamental debater a representatividade e legitimidade do Poder Judiciário. A meu ver, seria prescindível que os magistrados fossem eleitos por sufrágio direto e universal pelos cidadãos para assegurar legitimidade. Legitimidade é estar em contato com as necessidades da sociedade e agir conforme essas demandas. Tanto é que o Poder Legislativo e o Executivo, que são eleitos, abandonaram completamente a sociedade e só agem em benefício próprio ou de grupos econômicos que lhes beneficiam. No entanto, conforme se viu no Peru há poucos dias e mesmo perante a nossa Constituição, o Poder Judiciário é meio "refém" dessa alegada falta de representatividade. Sendo assim, deveriam os próprios magistrados debater a eleição. Por outro lado, entendo que o Júri Popular para todas as causas, por exemplo, nos termos da Constituição de 1824, os jurados pronunciando sobre os fatos e o juiz aplicando o direito, conferiria a legitimidade e representatividade colocadas em xeque em diversas ocasiões. Assim sendo, parece também de interesse da magistratura, enquanto instituição, procurar os candidatos e apresentar essas questões para obter um posicionamento de cada qual e informar a sociedade, incluindo o seu próprio posicionamento institucional motivado.

Comentários encerrados em 08/08/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.