Consultor Jurídico

Notícias

Critério da abrangência

Ações individuais devem esperar trânsito em julgado de ações coletivas, diz STJ

Por 

Ações individuais só podem andar depois que as ações coletivas sobre o mesmo tema transitarem em julgado. A tese foi fixada nesta quinta-feira (12/12) pela 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça num recurso repetitivo. Portanto, se aplica a todos os casos semelhantes em tramitação na Justiça.

Ações coletivas têm preferência no Judiciário por tratarem de direitos individuais homogêneos de forma coletiva, afirma o ministro Luis Felipe Salomão
Gustavo Lima/STJ

De acordo com o relator, ministro Luis Felipe Salomão, autor da tese vencedora, ações civis públicas têm preferência por abranger direitos individuais homogêneos. Por meio delas, afirma o ministro, se reconhece o fato gerador comum a todos os pedidos de reparação para facilitar a defesa dos prejudicados em juízo.

“O legislador institui as referidas ações partindo da premissa de que são, presumivelmente, propostas em prol de interesses sociais relevantes ou, ao menos, de interesse coletivo, por legitimado ativo que se apresenta, ope legis, como representante idôneo do interesse tutelado”, explica, no voto.

Salomão também afirma que é possível assinar termos de ajustamento de conduta nas ações coletivas. Esse tipo de acordo só pode ser assinado pelo legitimado por lei a propor as ações, mas abrange todos os seus representados — ao contrário dos acordos individuais, que só envolvem as partes em litígio.

Para o ministro, a autocomposição nos direitos coletivos, nesses casos, proporciona a pacificação social por meio do Judiciário, o que a doutrina chama de mending justice.

Segundo Salomão, a suspensão das ações individuais não implica prejuízo à adoção de eventuais medidas de natureza cautelar pelo Juízo do feito coletivo, nitidamente facilita a celebração desse aludido acordo

“E também evita-se também, nos danos de magnitude, com potencial de ocasionar a insolvência do responsável, que apenas os primeiros sejam indenizados, em prejuízo dos que ajuízam a ação mais tardiamente (em regra, os mais vulneráveis)”, disse.

REsp 1.525.327

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 12 de dezembro de 2018, 18h32

Comentários de leitores

2 comentários

Pode atrapalhar em vez de ajudar.

Marcelo Dawalibi (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

Vejo muitos problemas nesse acórdão do STJ. Primeiramente, as ações civis púbicas não andam com essa velocidade toda que pensam os doutos Ministros. Aguardar o trânsito em julgado da sentença implicará no retardamento da prestação jurisdicional aos interessados individuais. E o que ocorrerá com as ações invidiais? Ficarão sobrestadas? Mas esse efeito não é atribuído pelo CPC somente aos recursos repetitivos aos Tribunais Superiores ou aos recursos com repercussão geral junto ao STF? Não sei, mas temo que a ação civil pública, concebida para beneficiar os interesses individuais homogêneos, acabe se tornando, com essa decisão, um estorvo para esses mesmos interesses. A conferir.

Interessante

amigo de Voltaire (Advogado Autônomo - Civil)

Quando o assunto em discussao era as acoes civis dos poupadores , o mesmo ministro Salomao rebaixou-as ao prazo das acoes populares, contrariando larga jurisprudencia que ja fora estabelecida pelo STJ. V

Comentários encerrados em 20/12/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.