Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nova direção

Governo federal muda diretor-geral da Polícia Federal

O governo federal anunciou nesta quarta-feira (8/11) o delegado Fernando Segóvia como novo diretor-geral da Polícia Federal. Ele substitui Leandro Daiello, que estava no cargo desde janeiro de 2011.

Segóvia é bacharel em Direito pela Universidade de Brasília e está na PF há 22 anos. Foi superintendente regional da PF no Maranhão e adido policial na África do Sul e já trabalhou em funções ligadas à área de inteligência da corporação nas fronteiras do Brasil.

A Federação Nacional dos Policiais Federais reclamou da “reserva de mercado” a bacharéis para a nomeação dos diretores-gerais e da falta critérios ligados a “preparo de gestão e perseguir o critério da meritocracia”. Mas disseram que a escolha, “pelos critérios atuais, é adequada”.

Já a Associação dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) vai se reunir em assembleia antes de se manifestar. Mas já criticou o fato de o governo não ter considerado uma lista tríplice enviada à Presidência da República em “meados de 2016” com nomes escolhidos pela entidade. A delegada Erika Marena, que trabalhava na operação “lava jato”, havia sido a mais votada. Mas o cargo de diretor-geral da PF é de livre nomeação do ministro da Justiça, sem qualquer previsão de eleição, lista ou consulta pública.

Segóvia chega ao cargo com a missão de arbitrar os conflitos da categoria em torno da PEC 412/2009, que pretende alterar a Constituição Federal para dar autonomia administrativa e orçamentária à Polícia Federal. Na prática, transformaria a PF numa entidade semelhante ao Ministério Público, com vinculação apenas formal ao Poder Executivo, mas independente na prática.

A PEC é uma demanda da maioria dos delegados, que se dizem controlados pelo governo por meio da caneta que controla o Orçamento Público. Mas é criticada pelos agentes e escreventes da PF, que veem na proposta tentativa de dar aos delegados da PF controle sobre as atividades da corporação.

Revista Consultor Jurídico, 8 de novembro de 2017, 17h28

Comentários de leitores

1 comentário

Queimado ja na largada , é a piada pronta!

hammer eduardo (Consultor)

Independente dos méritos pessoais e folha de serviços na Policia Federal , o nobre Delegado já entra devidamente "queimado" na função justamente por ter sido instalado naquele luxuoso poleiro num momento gravíssimo no Brasil em que o "quadrilhão" esta no comando dos escombros da Nação porem com o cuidado cirúrgico de se assustarem ao ouvir o som de qualquer sirene mais próxima.
O bizarro desta verdadeira "ópera bufa" foi o escandaloso FATO de que a escolha foi feita por um dos investigados de pedigree neste grande lupanar verde e amarelo conhecido como alexandre padilha. O fator detonador da lambança teria sido justamente o estouro do "esconderijo" onde repousavam baianamente 51 milhões de reais em grana viva. Seria o equivalente ao nobre ( por comparação , menos perigoso com toda certeza!) Fernandinho Beira Mar escolhesse o Juiz de seu próximo julgamento.
Vaidades pessoais são verdadeiras armadilhas devidamente incensadas pelos enormes egos pessoais e neste caso posso afirmar com certeza que o nobre novo Diretor dos MIB já entra com uma "tornozeleira virtual" cujo controle se acha exatamente nas mãos da maior quadrilha de investigados atualmente a solta no Brasil , um escândalo sem precedentes que já aproxima ou talvez ate ultrapassa os 14 anos de bandalheiras sem controle por parte dos petralhas que devem estar passando mal de tanto rir.
Alias já eram favas contadas essas mudanças de conveniência e mais o apoio dos mercenários do quinto constitucional em Brasilia erroneamente instalados no STF, o cacique boca-mole não Me deixa mentir. Esse é o Brasil PODRE e fedendo a céu aberto que tão tristemente conhecemos. Oscar Maroni para Presidente em 2018 !

Comentários encerrados em 16/11/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.