Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Bônus sem ônus

OAB de São Paulo não será ressarcida por gastos de convênio com a Defensoria

Por 

A Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo tentou pela segunda vez cobrar da Fazenda do estado os gastos com o convênio firmado com a Defensoria Pública para o atendimento à população carente. Não conseguiu. Nesta quarta-feira (24/5), a 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região negou, por unanimidade, provimento à apelação contra sentença que negou que o estado ressarcisse a Ordem com despesas gerais nos postos de atendimento espalhados pela capital e interior. 

Na apelação julgada, sustentou pela OAB-SP o seu presidente, Marcos da Costa. Ele contou toda a história do convênio firmado que, no início, em 1986, foi feito para atender apenas às demandas criminais dos mais necessitados e que, a partir da Constituição de 1988, foi sendo ampliado para diversos ramos do Direito — o que até hoje é feito, pois a Defensoria Pública não possui quadro suficiente para atender à demanda.

Marcos da Costa disse que, só no ano passado, a Ordem atendeu a mais de um milhão de pessoas carentes em seus mais de 250 postos espalhados pelo estado, enquanto que a Defensoria Pública conta com apenas um quinto dessa estrutura.

O presidente contou que as chamadas casas da advocacia foram feitas para usufruto do próprio profissional mas que agora são usadas para atender à população carente, "que não poderia ficar aguardando em fila na rua debaixo de chuva e sol".

Marcos da Costa disse que a Ordem, embora não tenha essa obrigação, está suportando com várias despesas, cada vez maiores, em função do atendimento, com gastos de material de escritório, limpeza, acomodações etc., e que caberia ao poder público, ou seja, ao governo do estado, arcar com esse ônus. O valor da ação de cobrança foi estipulado, no ano de 2012, quando ajuizada, em R$ 66.121.557,00.

Relatora da apelação, a desembargadora Marli Ferreira utilizou os mesmos argumentos do juízo de primeiro grau e disse que não há base legal para o ressarcimento. Segundo ela, como o artigo 234 da Lei Complementar 988/06 (que criou a Defensoria Pública no estado de São Paulo) foi declarado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal, o estado não é mais obrigado a ressarcir a entidade, pois não há lei que autorize.

Marcos da Costa, contudo, disse na sustentação que no julgamento dessa ADI os ministros não trataram da questão do ressarcimento, mas da obrigatoriedade do convênio firmado entre a Ordem e a Defensoria.

A relatora rejeitou os argumentos. "O convênio firmado não suporta qualquer discussão jurídica. Os efeitos da ADI 4.163 atingem, sim, ao contrário do alegado, o pagamento de quaisquer valores, eis que retirado do mundo jurídico a validade da norma expedida em afronta ao texto constitucional", disse a desembargadora federal.

Segundo Marli Ferreira, a OAB tem o dever legal de manter a estrutura de todas as suas sub-seccionais. "Centenas de advogados estão na penúria, quer pela deficiente formação técnica, quer pela incapacidade de angariar clientela. Na verdade, o convênio veio a trazer verdadeira oxigenação à atividade em face de muitos profissionais que puderam receber seus honorários por trabalho realizado. Ganhou, e muito, a OAB, pois esses advogados que atenderam os hipossuficientes conseguiram verter sua contribuição aos cofres da instituição", disse ao final de seu voto.

Os desembargadores André Nabarrete e Mônica Nobre acompanharam integralmente a relatora para não dar provimento à apelação interposta.

O presidente da OAB-SP, Marcos da Costa, disse que respeita a decisão proferida e que, tão logo seja publicado o acórdão, o estudará para interpor o recurso cabível.

Processo 2012.61.00.009908-1

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 25 de maio de 2017, 11h41

Comentários de leitores

6 comentários

Sêo Vasco, preste concurso para a Defensoria.

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

O sr. será um "advogado do Estado", ganhará bem e provará que és dotado de notórios conhecimentos jurídicos.
Largue a Advocacia para lá, deixe de desdenhar e respeite os que passaram no Exame.

Abra-se mão.

Guilherme Tavora (Advogado Autônomo - Criminal)

Então que assim seja. Abra-se mão do convênio.
Como advogado, penso que o valor que pago à título de anuidade não deve ser utilizado para a assistência jurídica dos mais necessitados. Para isso já pago tributos.
Deixe que a Defensoria Pública arque com os gastos na assistência jurídica dos mais necessitados.
Será que isso será bom para os que mais dependem desta assistência?
Também penso que não.
Mas ao fim e ao cabo, abra-se mão. Não é uma questão, como pensam os magistrados, de interesse social.

Dra. Marli Ferreira, duas ressalvas

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Conforme o trecho publicado, a ilustre magistrada afirmou "Centenas de advogados estão na penúria, quer pela deficiente formação técnica, quer pela incapacidade de angariar clientela". Com relação à "deficiente formação técnica", a afirmação é, no caso, muito subjetiva, eis que não houve qualquer perícia para comprová-la. Por outro lado, nos quadros da magistratura, em muitos casos, parece haver deliberada "deficiência técnica" para justificar o que poderia ser considerado doloso. Com relação à incapacidade para angariar clientela, a ilustre magistrada adota a linha de raciocínio "Maria Antonieta". Num país com quinze milhões de desempregados e suas respectivas famílias, temos um contingente enorme de pessoas sem recursos materiais para a própria sobrevivência, que não podem pagar honorários de Advogado. Sim, excelência, centenas de Advogados estão na penúria, mas não pelas razões que a senhora levantou. É porque, ao contrário do que muitos magistrados dizem, muitos Advogados são honestos e fazem "das tripas coração" para ajudar os menos favorecidos, os que precisam da Justiça. E bons passeios e viagens para senhora ao desfrutar o lazer propiciado por seus vencimentos condignos a uma legítima representante da elite jurídica.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 02/06/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.