Consultor Jurídico

Funcionalismo público

Cármen Lúcia permite parcelamento de salários dos servidores públicos do Amapá

Devido à difícil situação financeira da região, o pagamento integral do salário dos servidores públicos do Amapá no quinto dia útil do mês oferece um risco concreto de grave lesão à economia pública do estado. 

Cármen Lúcia levou em consideração a difícil situação financeira do Amapá para permitir o parcelamento de salários.
Rosinei Coutinho/SCO/STF

Assim entendeu a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, ao suspender os efeitos de duas decisões judiciais que impediam o Executivo local de parcelar o vencimento de todas as carreiras do funcionalismo do estado.

Na decisão, tomada na Suspensão de Segurança 5.191, a ministra ressaltou que é indiscutível o direito dos servidores à remuneração integral. A gravidade exponencial da situação econômica da região, entretanto, evidencia que o governador Walder Góes (PDT) não tem condições de cumprir as decisões judiciais, sustentou a presidente.  

O Tribunal de Justiça do Amapá, em mandado de segurança, havia determinado ao governador que não fatiasse o depósito da remuneração dos policiais civis, sob pena de multa diária de R$ 5 mil. Já o juízo da 2ª Vara Cível e da Fazenda Pública de Macapá tinha impedido o chefe do Executivo de parcelar os salários de ativos, inativos e pensionistas, sob pena de multa diária de R$ 50 mil. Ambas determinavam o pagamento dos servidores públicos até o quinto dia útil de cada mês.

Cármen Lúcia, porém, considerou gravosas as sanções impostas ao governador, que, segundo ela, não parece querer descumprir as decisões judiciais. No caso, frisou a ministra, comprova-se que Góes não tem como honrar o compromisso salarial na forma como foram definidas pelo Judiciário, não se mostrado, portanto, revestida de legalidade e da razoabilidade a imposição da multa

A magistrada defendeu que o Judiciário deve levar em consideração a contingência estadual que levou ao atraso no pagamento dos servidores. “Não há como deixar de se reconhecer verdadeiro estado de necessidade econômico-financeira a determinar, temporária e motivadamente, de modo formal, a absoluta impossibilidade de se atender ao calendário de pagamentos”, afirmou.

A liminar deferida pela ministra vale até o trânsito em julgado das decisões questionadas ou até a superveniência de demonstração de mudança no quadro apresentado pelo estado. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 31 de julho de 2017, 21h13

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 08/08/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.