Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Comentarista de internet

Fazendeiro que ofendeu Chico Buarque firma acordo para se livrar de ação

O fazendeiro paulista Guilherme Gaion Junqueira Motta Luiz, alvo de queixa-crime por postar no Facebook frases ofensivas ao cantor Chico Buarque, aceitou o acordo proposto pelo Ministério Público e pagou multa de R$ 2 mil para evitar a instauração de ação penal.

Com isso, o juiz do 4º Juizado Especial Criminal do Rio de Janeiro Marco Couto extinguiu o processo. Motta Luiz, porém, ainda é réu em outra ação, na 44ª Vara Cível do Rio, em que o cantor cobra indenização por danos morais.

Na postagem feita em 24 de dezembro em sua página, o fazendeiro acusou Chico Buarque de se beneficiar financeiramente de sua posição política a favor do governo Dilma Rousseff e do PT. E relacionou supostos benefícios que parentes e a namorada do cantor teriam recebido por meio da Lei Rouanet.

A publicação ocorreu um dia após Motta Luiz, em conjunto com amigos, ter insultado Chico Buarque em um restaurante no Leblon, na zona sul do Rio. Na ocasião, o cantor foi chamado de “petista ladrão” e acusado de não se importar com o Brasil por supostamente morar em Paris — algo que um dos agressores confessou não saber se era verdade em vídeo do incidente.

Liberdade de expressão
A juíza Maria Cecília Monteiro Frazão, da 6ª Vara Cível de São Paulo, decidiu recentemente que ao dizer que o Partido dos Trabalhadores é formado por “marginais” e “saqueadores”, que a sigla é um “parasita” e “uma máquina de destruir reputações” sustentada por recursos públicos, o historiador e comentarista de rádio Marco Antônio Villa apenas expôs seu raciocínio a partir de notícias da imprensa. Por isso, não deverá indenizar o PT.

Segundo a juíza, Villa somente concatenou informações sobre as atitudes julgadas na Ação Penal 470, conhecida como processo do mensalão, e os atos do partido nas eleições de 2014. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-RJ.

Processo 0176258-95.2016.8.19.0001

Revista Consultor Jurídico, 10 de fevereiro de 2017, 19h25

Comentários de leitores

9 comentários

A hipocrisia de Chiquinho

Pé de Pano (Funcionário público)

Nascido em família abastada, sem vivenciar ensino público, saúde pública e desemprego, viajou por todos os lugares que desejou (exceto Cuba, Coreia do Norte, China e a ex-União Soviética, claro)! Idolatra Lularápio e outras farsas esquerdopatas, tipo Chê, Fidel, Chávez, Mandela e Gandhi! É o típico esquerdista caviar, defensor da política de repartir o pão (dos outros, menos o dele), que adora o Estado gordo, grande, sob capa de "justiça social", com altas cargas tributárias, pra então poder mamar nos "incentivos" do governo na cultura! No mais, é um péssimo cantor, com um contraste de boas e ruins composições!

coerência

frank_rj (Outro)

participo da assessoria de um escritório aqui do RJ especializado em direito autoral e com grande atuação no meio artístico. em mais de 20 anos como operador do direito, em mais de uma ocasião me deparei com o Chico ou com direitos ligados a ele. pessoa tranquila, com amplo conhecimento e que facilita as coisas. mas nunca foge da polêmica ou deixa de se pronunciar quando provocado.
só mesmo em tempos como estes, quando se fala pelos cotovelos ou pela internet, que podemos supor alguém ofendendo Chico Buarque. aliás, como muito se fez na época da ditadura. cabe-me apenas parabenizá-lo por manter a coerência.
por outro lado, lamento que num site especializado, profissionais desfilem seu ódio pessoal. e, por ser pessoal, geralmente sem fundamento. pena, mas estão apenas compartilhando e alimentando a vala comum dos que acham que advogado é bandido por defender bandido, ou ladrão por cobrar honorários.
melhor aproveitarmos o espaço para o debate dos casos e para orientar os clientes. aliás, temos um caso de um cliente que reproduziu a larga na rede material de um relatório do senador alvaro dias que lançava várias suspeitas, mas nenhum caso concreto de fraudes em loterias da CEF. além do mais, acusava de cumplicidade quem o recriminasse. não aceitou transação no penal e foi condenado. agora corremos para costurar um acordo no civel, que deve sair caro, já que é réu em várias ações, inclusive em outros estados.

Sobre o vídeo no youtube do Chico comprar músicas

João Corrêa (Estagiário - Previdenciária)

é uma montagem feita pelo próprio Chico, pra enganar um monte de gente afoita e sem conhecimento.
Deu certo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 18/02/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.