Consultor Jurídico

Questão jurisprudencial

Marco Aurélio cassa outra decisão do TCU e desbloqueia bens de executivos

Depois de determinar o desbloqueio de bens da construtora Odebrecht, o ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, agora mandou desbloquear bens de executivos da construtora. Ambas as ordens de penhora haviam sido dadas pelo Tribunal de Contas da União. O fundamento da liminar do ministro é o mesmo: o TCU, como órgão auxiliar do Legislativo no controle das conta do Executivo, não pode impor medidas restritivas autoexecutoriedade a particulares.

Indisponibilidade de bens pode sujeitar réus à insolvência, diz Marco Aurélio.
Gil Ferreira/SCO/STF

A nova liminar do ministro Marco Aurélio é desta terça-feira (27/9), quase um mês depois de ele ter dado a decisão que liberou os bens da construtora. A decisão desta terça atinge Marcelo Odebrecht, Marcio Faria da Silva e Rogério Santos de Araújo.

O TCU, ao determinar o bloqueio de bens dos executivos, se baseou no artigo 44 da Lei Orgânica da corte: “No início ou no curso de qualquer apuração, o tribunal, de ofício ou a requerimento do Ministério Público, determinará, cautelarmente, o afastamento temporário do responsável, se existirem indícios suficientes de que, prosseguindo no exercício de suas funções, possa retardar ou dificultar a realização de auditoria ou inspeção, causar novos danos ao Erário ou inviabilizar o seu ressarcimento”.

Entretanto, segundo Marco Aurélio, esse dispositivo diz respeito ao responsável pelo contrato, sempre o poder público. O artigo 61 da mesma lei, diz o ministro, obriga a corte de contas a solicitar à Advocacia-Geral da União que peça ao Judiciário a imposição de medidas restritivas a contratados pelo poder público.

Na liminar, Marco Aurélio explica que, no caso de empresas, há o “perigo da demora reverso”. Ou seja, se o bloqueio se mantiver, ele pode levar à “morte civil” da companhia. “A situação dos impetrantes, pessoas naturais, não é diferente, pois a manutenção da indisponibilidade de bens pode sujeitá-los à insolvência”, afirma.

A decisão desta terça é mais um capítulo da disputa jurisprudencial do ministro com o TCU. Em suas decisões a respeito do tema, o ministro costuma citar algumas decisões do Supremo, tomadas em mandado de segurança, com o mesmo teor.

No início desta semana, no entanto, o TCU mandou bloquear bens da construtora da Queiroz Galvão, da Iesa Óleo e Gás, do ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli e do ex-diretor da empresa Renato Duque. O argumento é o mesmo das demais ordens: indícios de fraude e superfaturamento em contratos de obras públicas contratadas pela estatal.

E na decisão do TCU, o relator, ministro Benjamin Zymler, discorda do ministro Marco Aurélio, do Supremo. Segundo Zymler, a Constituição “não fez distinção entre agentes públicos ou particulares para fins de recomposição do débito, bastando que qualquer um deles tenha dado causa à irregularidade de que resulte prejuízo ao erário”. Com informações da assessoria de imprensa do STF.

MS 34.421




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 27 de setembro de 2016, 22h02

Comentários de leitores

4 comentários

Decisão Correta

Ang (Funcionário público)

As pessoas podem espernear, dizer que Marco é o traidor da Pátria etc, mas veja como é escandalosamente controversa a teoria de quem diz que ele não deveria ter feito isso (debloqueio). Quem é contra a decisão do ministro, quer que ele não siga a lei porque quem "eventualmente não a seguiu" se beneficiou desse expediente, logo ele também não precisa atuar nos limites da lei para puni-los. Mas a ideia aqui é justamente fazer a lei ser cumprida. O regimento diz: "o afastamento temporário do responsável, se existirem indícios suficientes de que, prosseguindo no exercício de suas funções..". Pense comigo: esse excerto se refere aos executivos das empresas ou das empresas propriamente ditas? Se refere? Responda essa minha pergunta. O TCU, se um dia quiser deter a prerrogativa para bloquear bens de terceiros e afastar executivos (não atingir apenas o agente público que é o caso atual), que então trabalhe para ganhar essa autonomia. Mas não pode sair dando uma de superman achando que pode tudo. Porque nesse caso em tela, não pode.

Pek Cop e o conto das estultices!

Paulo Jorge Andrade Trinchão (Advogado Autônomo)

Encoberto no manto covarde do pseudônimo, o jactancioso "Pek Cop", desfila as suas parvoíces , sem um mínimo de pudor. Agora, ataca o preclaro Ministro Marco Aurélio, e por tabela, a própria Constituição Federal, ao impingir comentário tosco, leviano e irresponsável. Coisas típicas de apedeutas de plantão. Poupe-nos de tantas acrasias e mediocridades!

STF contra a nação....

Pek Cop (Outros)

Agora foi a vez do fala mansa, esse supremo só envergonha, sempre dão um jeitinho de ajudar com excesso de garantias o que fomenta o crime!!!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 05/10/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.