Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Admirável mundo novo

Novas tecnologias fazem juiz repensar sentido de Justiça, diz Cármen Lúcia

Por 

As novas tecnologias não provocam mudanças só na sociedade, mas também fazem a comunidade jurídica repensar o Direito e o sentido de Justiça. A opinião é da ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal. Para ela, a transformação tecnológica faz com que os operadores do Direito reavaliem o que é o justo para a sociedade em uma determinada época de acordo com seu estágio de desenvolvimento.

Segundo a ministra Cármen Lúcia, a transformação tecnológica faz com que os operadores do Direito tenham de reavaliar o que é o justo para a sociedade.
Nelson Jr./SCO/STF

“O ser humano sempre vai buscar novos direitos. E o Direito busca deixar as sociedades mais justas”, disse nessa quarta-feira (26/10), durante conferência de abertura do XIX Congresso Internacional de Direito Constitucional, organizado pelo Instituto Brasiliense de Direito Público. O tema deste ano é como as novas tecnologias influenciam o Direito Constitucional e o impacto da internet na Constituição brasileira.

Na opinião da ministra, essa necessidade de reavaliação causa aflição no juiz constitucional porque as dúvidas e indagações da sociedade também se revelam na hora de decidir. Por isso, a ausência de certezas é refletida muitas vezes nos julgamentos que envolvem questões constitucionais. Nas palavras dela, o “pêndulo histórico” também se reflete nos tribunais constitucionais por meio da variação da jurisprudência. Ela cita como exemplo a questão do aborto e sua possibilidade ou não aos olhos do Judiciário. “Não tínhamos pensado na década passada sobre qual é o papel do pai, só tínhamos pensado o papel da mãe e do feto. Agora temos que retroceder e introduzir um novo pensamento.”

Ela defende ainda que o mundo do Direito precisa repensar seu conceito de litigiosidade para pacificar a sociedade. Por esse motivo, deve superar o que até hoje foi consolidado como próprio do Direito: a natureza binária de que quem entra em juízo ganha ou perde. “Errado. Agora tentamos não apenas decidir o conflito, mas acabar também com a conflituosidade. E fazer que não se sobrevenham novos litígios.”

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 27 de outubro de 2016, 21h45

Comentários de leitores

1 comentário

iludido Advogado autônomo

Iludido (Advogado Autônomo - Civil)

Tudo indica que S.Exa. tratou de expor a teoria do direito, apesar do exemplo dado. Mas, na prática TUDO é diferente. A prática atrai fortemente a racionalidade e a espiritualidade. Antes, a justiça era fundamentalmente um risco, hoje, um perigo. Antes ruim, hoje muito pior. É que o rito de trabalho não obedece ao sistema continental de empresa e sim de conteúdo público tão desgastado no mundo humano d'hoje. A eg. O excesso, diz a filosofia, sempre faz mal. O índice de mordomia dentro do serviço público contribui para os serviços incompletos como: Juiz não ler processo. Rolar tela nem se fala, inclusive para a geração de hoje extremamente nervosa e impaciente. É a tecnologia nem sempre tão útil. Aliás, é bem informar que o Brasil não está preparado para tecnologia nenhuma, a começar pela internet capitalizada ( 3 mb, 10mb. 15mb e etc.) tudo importado. e sempre fora de ação. Fora isso, todos somos pecadores.

Comentários encerrados em 04/11/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.