Consultor Jurídico

Notícias

Direitos sociais

1,5 mil juízes assinam manifesto contra possível reforma trabalhista de Temer

Mais de 1,5 mil juízes do Trabalho associados à Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) aderiram ao manifesto dos ministros do Tribunal Superior do Trabalho no qual criticam uma possível desconstrução do Direito do Trabalho no Brasil.

O documento inicial foi criado e assinado por 20 ministros do TST. Ele é apontado como uma resposta às propostas que estão sendo discutidas no governo do presidente interino Michel Temer, que planeja uma reforma previdenciária seguida de uma reforma trabalhista.

No documento intitulado Documento em defesa do Direito do Trabalho e da Justiça do Trabalho no Brasil, os ministros afirmam que é preciso esclarecer a sociedade que a desconstrução do Direito do Trabalho será nefasta sob qualquer aspecto: econômico, social, previdenciário, segurança, político, saúde pública, entre outros tantos aspectos. Conforme os ministros, neste momento de grave crise política, ética e econômica, torna-se essencial uma reflexão sobre a importância dos direitos, em particular os sociais trabalhistas.

O posicionamento não é unânime no TST. Dos 27 ministros da corte, o manifesto conta com a assinatura de 20 integrantes. O próprio presidente do tribunal, ministro Ives Gandra Martins Filho, já afirmou, em entrevista à ConJur, que em tempos de crise econômica que a reforma trabalhista se faz mais urgente. "Dizer que em períodos tais, quando os trabalhadores estão fragilizados, não se devem promover reformas, é esquecer que também as empresas estão fragilizadas e quebrando, o que exige rápida intervenção para recuperar uns e outros. E isso só se faz afrouxando um pouco a corda que vai enforcando a todos, encontrando o ponto de equilíbrio de justa retribuição ao trabalhador e ao empresário empreendedor", afirmou.

Na avaliação do presidente da Anamatra, Germano Siqueira, contudo, o apoio de 1,5 mil magistrados é simbólica e marca a posição majoritária da magistratura do Trabalho em defesa dos direitos sociais. “Qualquer outro discurso contrário a isso é inoportuno e representa grave ameaça aos alicerces e a um mercado civilizado e justo para todos. Toda e qualquer proposta de reforma deve observar a Constituição Federal, que prevê a construção progressiva de novos direitos no intuito de melhorar a condição social do trabalhador e não de reduzir as suas conquistas históricas e fundamentais”, explica.

A 1,5 mil assinaturas foram colhidas pela Anamatra em uma semana. Contudo, o documento continua aberto para novas adesões de juízes de todos os ramos do Poder Judiciário, membros de outras carreiras, instituições, acadêmicos, entidades da sociedade civil e outros interessados. Para manifestar o apoio basta encaminhar e-mail para presidencia@anamatra.org.br, informando nome, cargo e instituição. Com informações da Assessoria de Imprensa da Anamatra.

Clique aqui para ler o documento.

Revista Consultor Jurídico, 27 de junho de 2016, 16h31

Comentários de leitores

11 comentários

Neoliberaralismo a volta com o interino e elitistas do cupul

Magda Maria Paiva (Psicólogo)

Incrivel na Europa a carga horária do trabalhador é de 36 semanais. O Brasil é o único que ainda mantém 44horas semanais para o trabalhador e um piso salarial vergonhoso e excludente. Absurdo ainda é o que este interino vem aplicando principalmente em relação aos direitos sociais do trabalhador. É excludente e exploração. Há ja patrões aproveitando de trabalhadores, com arga de hora além do permitido sem remuneração devida extra. Alega se o trabalhador n quiser assim, tem mil lá fora para seu lugar. Escravidão!!!! E ainda com os aposentados salarios abaixo do piso? Misserável este interino! Como os idosos vão viver? Um salário nem dá para comer, remédios, alguém para ajudar qdo estes já n conseguem mais cuidar da casa, pequenas tarefas!Trabalharam a vida toda para o pais e estão condenados por viverem. Crime, barbaria, isto sim! Mulher deve trabalhar mais até 65 anos alegando o ministro do interino porque usam mais tempo o dinheiro da previdência. Vagabundo e desumano este homem! Se os homens vivem menos, o qt6o bebem mais que as mulheres, se cuidem menos, são ruaceiros desde cedo jovens.Mulher tem tripa jornada, gerem filhos e cuidem deles, ajudam na maioria dos casos dos pais idosos.etc.Em separação, sempre é ela quem fica com a responsabilidade da familia, etc. Este ministro n sabe o que diz e nem o governo interino. Seu projeto é excludente e desumano. Nosso pais está de volta ao neoliberalismo com este interino e sua cúpula elitista, machista, préconceituosos. Este homem interino é louco e faz parte de um bando de sem consciência. Por que o Ministério Publico n faz justiça com os criminosos corruptos que estão no poder? Porque liberaram aumentos exorbitante p/ o funcionalismo do executivo, legislativo, judiciário e quer tirar dos trabalhadores?

Neoliberaralismo a volta com o interino e elitistas do cupul

Magda Maria Paiva (Psicólogo)

Incrivel na Europa a carga horária do trabalhador é de 36 semanais. O Brasil é o único que ainda mantém 44horas semanais para o trabalhador e um piso salarial vergonhoso e excludente. Absurdo ainda é o que este interino vem aplicando principalmente em relação aos direitos sociais do trabalhador. É excludente e exploração. Há ja patrões aproveitando de trabalhadores, com arga de hora além do permitido sem remuneração devida extra. Alega se o trabalhador n quiser assim, tem mil lá fora para seu lugar. Escravidão!!!! E ainda com os aposentados salarios abaixo do piso? Misserável este interino! Como os idosos vão viver? Um salário nem dá para comer, remédios, alguém para ajudar qdo estes já n conseguem mais cuidar da casa, pequenas tarefas!Trabalharam a vida toda para o pais e estão condenados por viverem. Crime, barbaria, isto sim! Mulher deve trabalhar mais até 65 anos alegando o ministro do interino porque usam mais tempo o dinheiro da previdência. Vagabundo e desumano este homem! Se os homens vivem menos, o qt6o bebem mais que as mulheres, se cuidem menos, são ruaceiros desde cedo jovens.Mulher tem tripa jornada, gerem filhos e cuidem deles, ajudam na maioria dos casos dos pais idosos.etc.Em separação, sempre é ela quem fica com a responsabilidade da familia, etc. Este ministro n sabe o que diz e nem o governo interino. Seu projeto é excludente e desumano. Nosso pais está de volta ao neoliberalismo com este interino e sua cúpula elitista, machista, préconceituosos. Este homem interino é louco e faz parte de um bando de sem consciência. Por que o Ministério Publico n faz justiça com os criminosos corruptos que estão no poder? Porque liberaram aumentos exorbitante p/ o funcionalismo do executivo, legislativo, judiciário e quer tirar dos trabalhadores?

3 milhões de Reclamações Trabalhistas para 2016...Previsão..

Mig77 (Publicitário)

O empresário deve se defender do Brasil, seu maior inimigo !!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 05/07/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.