Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Critério extra

Bacharel em curso ainda não reconhecido pelo MEC também tem direito a tirar OAB

A Ordem dos Advogados do Brasil deve fazer o registro profissional do candidato aprovado no Exame de Ordem, mesmo que ele tenha se formado em curso de Direito ainda não reconhecido pelo Ministério da Educação. Assim entendeu a 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça ao rejeitar pedido da seccional da OAB no Paraná para impedir que um recém-formado conseguisse inscrição como advogado.

Ele havia obtido decisão favorável em Mandado de Segurança, tanto em primeiro como em segundo graus, mas a Ordem recorreu, argumentando que o candidato estudou em curso que ainda não havia sido formalmente reconhecido pelo MEC.

Para a entidade, somente graduações autorizadas e reconhecidas conferem capacitação para o exercício profissional, razão pela qual o diploma seria inválido, conforme as leis 9.394/96 (diretrizes e bases da educação nacional) e 8.906/94 (Estatuto da Advocacia).

Já o ministro relator do recurso, Napoleão Nunes Maia Filho, afirmou que as normas citadas exigem apenas diploma ou certidão de graduação em Direito, obtido em instituição de ensino oficialmente autorizada e credenciada. O reconhecimento do curso consiste em outro procedimento administrativo, sem referência expressa nas leis para o registro na OAB.

“Não há como tornar obrigatório tal exigência do recorrente, sobretudo porque o propósito da restrição objetivada é norma garantidora de direito fundamental, qual seja, o livre exercício profissional”, afirmou o relator. Os ministros consideraram exagerado exigir do estudante que espere o trâmite burocrático de reconhecimento do curso por tempo indeterminado, já que tal previsão deixaria inúmeros profissionais estagnados no mercado de trabalho meramente pela demora da administração pública.

Maia Filho apontou ainda que a graduação em questão recebeu aval do MEC durante o andamento do processo. Assim, na prática, não há mais nenhum motivo para impedir a carteira da OAB ao jovem profissional. O voto foi seguido por unanimidade.  Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

Clique aqui para ler o acórdão.
REsp 1.288.991

Revista Consultor Jurídico, 28 de julho de 2016, 13h15

Comentários de leitores

1 comentário

A privação do emprego ataque frontal aos DHs

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos escritor e jurista. Sou totalmente contra qualquer tipo de violência. As injustiças sociais geram fome, desemprego e violência e enriquece os mercenários aproveitadores dos escravos contemporâneos da OAB. O que aconteceu na minha Bahia, terra do meu saudoso colega jurista Rui Barbosa, terra de Castro Alves, Luiz Gama e tantos outros heróis, foi um ato de loucura; um grito desespero de um pai de família, aflito, desesperado, clamando, pasme, pelo direito ao primado do trabalho. Balinhas de gengibre não mata; cura a garganta inflamada dos capatazes de tanto pregar o medo, o terror e a mentira. A sociedade brasileira esperava que os dirigentes da OAB diante de tantas injustiças sociais que esse exame caça-níqueis vem causando ao país dos desempregados, que convocassem a imprensa e antecipando o 13 de maio e anunciasse o fim da última ditadura a escravidão contemporânea da OAB, uma chaga social que envergonha o país dos desempregados. Há vinte anos OAB vem se aproveitando dos governos omissos corruptos e covardes para impor seu famigerado concupiscente, fraudulento caça níqueis exame da OAB. Vendem-se dificuldades para colher facilidades. Não melhorou a qualidade do ensino jurídico até porque não atacou as causas e sim as consequências. Creio que o próximo ganhador do Prêmio Nobel da Paz sairá do Brasil, entre dezenas de abolicionistas contemporâneos que estão lutando com pertinácia e denodo pelo direito ao trabalho, pelo fim da última ditadura a escravidão contemporânea da OAB, em sintonia com os ensinamentos do PAPA FRANCISCO. "JÁ NÃO ESCRAVOS. MAS IRMÃOS". Ensina-nos Martin Luther King "Na nossa sociedade privar o homem do emprego e renda, equivale psicologicamente a assassiná-lo"

Comentários encerrados em 05/08/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.