Consultor Jurídico

Acordo salgado

Para encerrar ação movida pelo MPT,
Itaú-Unibanco pagará R$ 10 milhões

O Itaú-Unibanco pagará R$ 10 milhões para encerrar uma ação civil pública movida pelo Ministério Público do Trabalho. Fechado na semana passada, o acordo prevê o pagamento dessa quantia como indenização por danos morais coletivos pela prática de infrações recorrentes relacionadas aos controles de jornada de seus funcionários.

Segundo o MPT, a empresa submetia os empregados a mais de duas horas-extras por dia sem justificativa e deixava de conceder o período integral dos intervalos para descanso (mínimo de uma hora para jornadas de mais de seis horas diárias). Além da verba indenizatória, também ficou acordado que a empresa deverá mudar suas regras internas para se adequar a legislação.

Outra acusação era que a empresa utilizava mecanismo de controle de ponto em desacordo com as exigências previstas na Portaria 1.510/2009 do Ministério do Trabalho e Emprego, que disciplina o registro eletrônico de ponto. Entre as irregularidades estava o fato de que o sistema usado pelo banco impedia o acesso aos arquivos pelos auditores fiscais do trabalho.

As medidas impostas pelo acordo têm alcance nacional e devem impactar, somente no estado do Paraná, o dia a dia de aproximadamente quatro mil trabalhadores. A audiência de acordo foi feita no Juízo Auxiliar de Conciliação do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (PR) e conduzida pelo relator do processo, desembargador Cássio Colombo Filho. Com informações da Assessoria de Imprensa do MPT.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 22 de julho de 2016, 17h29

Comentários de leitores

1 comentário

MPT

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Não seria melhor exigir o cumprimento de obrigações individuais, reparando a lesão dos trabalhadores? Entregar elevada quantia ao Estado, esse ente abstrato, que em teoria é impessoal, mas na prática é pessoal?

Comentários encerrados em 30/07/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.